França

Suícidio de casal de idosos relança debate sobre eutanásia na França

Áudio 03:55
O suicídio do casal do Lutetia relançou o debate sobre a eutanásia na França.
O suicídio do casal do Lutetia relançou o debate sobre a eutanásia na França. Foto: Divulgação

As conclusões do relatório do comitê criado pelo governo para discutir a questão da eutanásia na França serão apresentadas no próximo dia 16 de dezembro. A ampliação da atual legislação foi uma das promessas de campanha do presidente François Hollande, que se comprometeu a lançar um debate nacional sobre o assunto. 

Publicidade

O tema ganhou um novo fôlego depois do suicídio de um casal de octagenários no famoso hotel Lutetia, em Paris, no ultimo dia 21 de novembro.

Um ato quase militante. Georgette e Bernard Cazes, de 86 anos, deixaram uma carta explicando temer mais a "dependência do que a morte", e reivindicando o direito à morte assistida.

Hoje na França, apenas a eutanásia passiva é autorizada, o que significa que o paciente tem apenas direito de morrer autorizando a suspensão dos remédios e do tratamento.

Segundo uma pesquisa encomendanda pela ADMD, Associação Pelo Direito de Morrer com Dignidade, 92% dos franceses são favoráveis à eutanásia para vítimas de doenças incuráveis ou que trazem grande sofrimento.

O presidente da ADMD, Jean Luc Romero, considera a lei atual cruel, já que, sem tratamento, o paciente poder demorar horas ou semanas para morrer.

“Militamos por uma outra lógica. Hoje, aqueles que estão em volta da cama do paciente é que decidem o que vai acontecer com a pessoa que está no fim da vida. Ou seja, os médicos e seus herdeiros. Queremos que a própria pessoa possa tomar essa decisão. Por isso defendemos a legalização da eutanásia e do suicídio assistido. E que a pessoa decida, por ela mesma, o que ela deseja no fim da vida.”

Eutanásia é autorizada em quatro países europeus

Quatro países europeus autorizam a eutanásia : o Luxemburgo, a Suíça, a Holanda, o primeiro a legalizar a prática, e a Bélgica. Mas hoje, para um paciente francês, é extremamente diíficl obter a execução do ato em um outro país. Para Jean Luc Romero, o suicídio do casal do Lutetia evidencia um mal estrar crescente na França em relação ao tema.

Para a psicanalista Eva Landa, radicada em Paris, o suicídio do casal do Lutetia foi um ato militante, que vai muito além da decisão de colocar um fim à própria vida.

"A gente sabe que o suicídio é um pedido de socorro, mas em alguns casos é uma decisão da pessoa diante de um sentimento insuportável. O casal escolheu uma morte terrível, que eu imagino seja para dar um sentido ao ato."

Para ouvir o programa completo, clique no ícone "Ouvir."
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.