Acessar o conteúdo principal
Reportagem

"Ninfomaníaca", de Lars von Trier, chega aos cinemas europeus durante as festas

Áudio 06:08
A atriz inglesa Stacy Martin interpreta a personagem principal Joe em sua juventude.
A atriz inglesa Stacy Martin interpreta a personagem principal Joe em sua juventude. Divulgação
Por: Daniella Franco
11 min

O primeiro volume do filme mais polêmico do diretor Lars von Trier, Ninfomaníaca, estreia dia 25 de dezembro na Dinamarca, seu país de origem. A partir do dia 1° de janeiro, os franceses também poderão conferir o longa na telona; a sequência chega à França no dia 24 de janeiro. Já os cinemas brasileiros recebem o volume 1 no dia 10 de janeiro. O volume 2 ainda não tem data para ser exibido no Brasil.

Publicidade

Para escutar a reportagem completa, clique no botão “Ouvir”

A versão de "Ninfomaníaca" que chega aos cinemas entre este fim de ano e o começo de 2014 não é de autoria de Lars von Trier, apenas conta com o seu acordo. Mais comercial, cada um dos dois volumes tem cerca de duas horas e é menos chocante do que a versão do diretor. Esta terá 5 horas e meia, com estreia prevista para meados de 2014 e foi apelidada nos bastidores como “hardcore” devido à quantidade de cenas de sexo explícito e de sadomasoquismo.

O volume 1, apresentado à imprensa francesa na semana passada, relata as experiências sexuais da personagem principal, Joe, que é interpretada pela atriz britânica Stacy Martin em sua juventude e pela atriz francesa Charlotte Gainsbourg na vida adulta. Nesta versão, a maior parte das cenas sexo explícito foi censurada. Poucas delas, interpretadas por Stacy Martin, foram reservadas para o final. Já o volume 2 promete ser mais denso, com cenas mais violentas e apresentará as tão polêmicas sequências sadomasoquistas.

Efeitos especiais

Pierre Buffin, o diretor do estúdio de animação francês BUF, responsável pela produção dos efeitos especiais de "Ninfomaníaca", contou em entrevista à RFI que o maior desafio de sua equipe foi a sincronização das cenas de sexo reais - filmadas com atores de filmes pornográficos -, e as simuladas, feitas com os atores principais do longa.

“Foi um pouco complicado porque, como sabemos, durante o sexo há muitos movimentos. E mesmo se você tentar gravar as mesmas cenas com dois casais diferentes, é difícil uniformizar esses movimentos. Ou seja, toda a complexidade desses efeitos especiais era especialmente sincronizar as performances de atores pornôs e atores reais", disse ele.

Cenas que os cinéfilos poderão conferir a partir do dia 10 de janeiro no Brasil, onde há uma grande expectativa, como explicou o editor sênior do site AdoroCinema, Francisco Russo.

“Esse lado do Lars von Trier de sempre tocar em assuntos polêmicos, e que desta vez trata sobre a questão do sexo, tem chamado muito a atenção do público para o filme. Além disso, o Lars von Trier já é um diretor admirado no circuito artístico, especialmente por "Dogville", "Dançando no Escuro", e o "Melancolia"”, diz.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.