Primavera a perigo

Queda de Mursi foi golpe militar ou revolução popular?

Manifestações a favor do presidente egípcio deposto Mohamed Mursi, no bairro de Rabaa, no Cairo, na quarta-feira (3).
Manifestações a favor do presidente egípcio deposto Mohamed Mursi, no bairro de Rabaa, no Cairo, na quarta-feira (3). REUTERS/Khaled Abdullah

Um dos países protagonistas da chamada Primavera Árabe, o Egito é também a prova de que as revoltas que eclodiram em 2011 estão longe de consolidar poderes democraticamente eleitos. Em junho, o presidente Mohamed Mursi acabou deposto pelo Exército, ao resistir na base da força a protestos contra a virada islâmica do seu governo. Mursi e dezenas de líderes da Irmandade Muçulmana, confraria à qual pertence, encontram-se presos e à espera de julgamento, enquanto os militares permanecem no poder e prometem a realização de novas eleições. Clique aqui para ouvir o Fato em Foco, produzido por Ana Carolina Peliz, a respeito das incertezas no país.