Acessar o conteúdo principal
Interpol/avião

Suspeita terrorista para sumiço do avião é cada vez mais distante, diz Interpol

Fotomontagem mostrando os dois homens que embarcaram no voo da Malaysia, usando passaportes falsos.
Fotomontagem mostrando os dois homens que embarcaram no voo da Malaysia, usando passaportes falsos. REUTERS/Malaysian Police/Handout via Reuters
3 min

O secretário-geral da Interpol, Ronald K. Noble, declarou nesta terça-feira (11), à imprensa, que “a pista terrorista” era cada vez mais remota, a respeito do desaparecimento do Boeing 777 da Malaysia Arlines. O voo MH370 sumiu com 239 pessoas a bordo, no sábado, durante trajeto Kuala Lumpur-Pequim.

Publicidade

“Trata-se de tráfico humano”, acrescentou Noble, em referência à presença a bordo do avião de pelo menos duas pessoas com passaportes europeus roubados. “Temos cada vez mais certeza de que essas duas pessoas não eram terroristas”, disse.

A Interpol, com sede em Lyon, na França, informou que os dois passageiros com passaportes austríaco e italiano roubados são iranianos. Eles viajaram de Doha a Kuala Lumpur com seus passaportes iranianos. Os documentos iranianos de Pouria Noor Mohammad Mehrdad, de 19 anos, e Delavar Seyed Mohammadreza, de 29, não foram declarados como roubados e não tinham registro na base de dados da Interpol.

A polícia tailandesa, por sua vez, indicou que um suposto coiote iraniano de imigrantes ilegais, conhecido como “Sr. Ali”, teria organizado a compra dos dois bilhetes de avião em nome dos europeus. As passagens foram emitidas por uma agência de viagem em Pattaya, balneário ao sul de Bancoc, capital tailandesa. O Sr. Ali viveria na Malásia e teria laços com uma rede especializada na passagem de clandestinos do Oriente Médio em direção à Europa, através de outros países.

Segundo um oficial tailandês, a suspeita é de que os passaportes europeus teriam sido roubados por uma gangue de tráfico humano que enviava pessoas para trabalhar em outros países, como a Europa.

Estreito de Malaca

Militares da Malásia acreditam que o avião voou por mais de uma hora após desaparecer das telas do controle de tráfego aéreo, alterando sua rota e viajando para oeste, sobre o Estreito de Malaca, segundo uma fonte militar graduada.

O Estreito de Malaca, um das mais movimentadas rotas marítimas do mundo, separa a parte continental da Malásia (e também Cingapura) da ilha indonésia de Sumatra.

Depois de inicialmente concentrar as buscas no mar do Sul da China, a Malásia ampliou a operação de busca do avião para o Estreito de Malaca.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.