Manifestantes em Hong Kong continuam nas ruas para exigir eleições livres

Áudio 04:14
Dezenas de milhares de manifestantes, a maior parte deles jovens, dormiram mais uma noite acampados nas principais vias de Hong Kong.
Dezenas de milhares de manifestantes, a maior parte deles jovens, dormiram mais uma noite acampados nas principais vias de Hong Kong. REUTERS/Carlos Barria

Em pleno dia Nacional da China, em Hong Kong, o movimento civil por eleições livres para o governo local inicia sua quarta jornada consecutiva de protestos nesta quarta-feira (1). A expectativa é de que o feriado de dois dias, que marca a criação da República Popular da China, atraia um número ainda maior de manifestantes.

Publicidade

Luiza Duarte, correspondente da RFI em Hong Kong

Enquanto autoridades participam das comemorações do 1ª de outubro, milhares de pessoas cobram uma resposta do chefe do executivo local, Leung Chun-ying. As principais vias da região autônoma permanecem ocupadas, assim como a área onde se localiza a sede do governo.

Nesta manhã, a organização estudantil Scholarism liderou um ato simbólico contra a interferência de Pequim na política interna de Hong Kong. Em silêncio e virados de costas para o local onde era realizada a cerimonia da bandeira, no distrito de Wanchai, centenas de estudantes ergueram os braços formando uma cruz. Já os helicópteros que passaram carregando a bandeira da China foram vaiados pelo grande grupo de manifestantes reunidos na ilha.

Em um editorial publicado na mesma data, o jornal estatal chinês, People's Daily, reforçou que Pequim não pretende voltar atrás na decisão de pré-selecionar os candidatos para as eleições de 2017, que definem o chefe do governo de Hong Kong. A posição do Partido Comunista Chinês desencadeou na última semana a nova onda de contestação popular.

Na terça-feira (30), a China pediu unidade e prometeu apoiar o governo da região em ações contra os protestos que considera ilegais. Já o secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu que a democracia seja respeitada em Hong Kong.

A mobilização vem sendo chamada de revolução do guarda-chuva, acessório que virou escudo dos manifestantes contra o spray de pimenta usado pela polícia anti-choque, no último domingo (28).

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI