Linha Direta

Cameron e rival se enfrentam em primeiro debate da campanha eleitoral no Reino Unido

Áudio 04:20
Os líderes dos principais partidos britânicos participaram do primeiro debate na televisão, nesta quinta-feira, 2 de abril de 2015.
Os líderes dos principais partidos britânicos participaram do primeiro debate na televisão, nesta quinta-feira, 2 de abril de 2015. EUTERS/Ken McKay/ITV/Handout via Reuters ATTENTION EDITORS

A campanha eleitoral no Reino Unido começou oficialmente esta semana. Na noite desta quinta-feira (2), os líderes dos principais partidos representados no Parlamento fizeram o primeiro debate na televisão, o único com a presença do primeiro-ministro David Cameron, do Partido Conservador. As eleições para o novo Parlamento acontecem no próximo dia 7 de maio e, segundo as pesquisas, não existe um claro favorito.

Publicidade

O debate de ontem colocou frente a frente o primeiro-ministro, David Cameron, e seu principal oponente, o trabalhista Ed Miliband, pela primeira e única vez nesta campanha. O encontro estava sendo aguardado com muita expectativa, tanto pelos eleitores e analistas políticos quanto pelos próprios partidos.

As redes de rádio e TV britânicas tinham previsto realizar um segundo debate apenas com a presença de Cameron e Miliband, mais perto do dia da eleição, mas o primeiro-ministro se recusou a participar.

David Cameron chegou ao debate da quinta-feira adotando uma postura de quem já está no poder e quer se manter longe das propostas e das disputas entre os outros partidos. Ele insistiu que seu governo recuperou a economia do Reino Unido após a crise de 2008 e que a única maneira de o país continuar crescendo é manter o partido no poder.

Já Ed Miliband tinha um desafio maior neste debate: mostrar que as propostas do Partido Trabalhista são melhores para o futuro do país, mas principalmente superar a percepção que a maioria da população tem de que ele é um líder fraco e sem carisma. Miliband atacou o governo conservador o quanto pode e, em todas as vezes que tinha a palavra, ele se virava para a câmera para tentar falar diretamente com o telespectador, o eleitor.

Logo depois do debate, as pesquisas de opinião indicaram que Ed Miliband se saiu melhor do que Cameron.

Representantes de outros partidos

Pela primeira vez, o debate contou com a presença dos líderes de outros cinco partidos, inclusive o polêmico Nigel Farage, do UKIP, o Partido pela Independência do Reino Unido, de linha mais nacionalista. O fato de os sete partidos com cadeiras no Parlamento estarem representados no debate foi considerado a grande vitória desta campanha eleitoral.

O governo britânico sempre foi alternado entre o Partido Conservador e o Partido Trabalhista e, como as eleições são indiretas, o país não realizava debates na televisão até 2010. O formato atual é muito novo para os britânicos.

Nigel Farage é um político que defende a ruptura com a União Europeia e que atribui os problemas do Reino Unido à presença de imigrantes. Suas declarações polêmicas são frequentemente assunto nas redes sociais. E, segundo algumas pesquisas, ele até teria sido o mais convincente no debate.

Mulheres do no debate

Mas além dele e de Nick Clegg, do Partido Liberal-Democrata, também estavam ali três mulheres: a líder do Partido Verde, que se mostrou como uma esquerda mais radical, e as líderes dos partidos nacionalistas da Escócia e do País de Gales. As três foram muito elogiadas nas pesquisas e nas redes sociais, principalmente a escocesa Nicola Sturgeon, que chegou a ser apontada como a grande vencedora do debate, pela maneira segura como ela se apresentou e por trazer temas mais humanos para a discussão.

Mas, independentemente dos desempenhos e da percepção do público, é a presença dessas novas vozes e visões para o futuro do Reino Unido que marca esta campanha eleitoral no Reino Unido.

Pesquisas mostram empate técnico

Faltam cinco semanas para a votação e as pesquisas indicam um empate técnico entre o Partido Conservador e o Partido Trabalhista. Por isso os líderes dos partidos discutiram os temas que mais estão preocupando o eleitor britânico: a economia, a questão da imigração e da presença do país na União Europeia e o futuro do NHS, o sistema nacional de saúde pública que o atual governo quer começar a privatizar.

São assuntos que cada partido aborda de uma maneira muito diferente e aqueles líderes que se mostraram mais próximos dos valores britânicos, de direitos humanos, de igualdade, de livre acesso à educação e à saúde, foram os que ganharam mais simpatia do eleitor, pelo menos durante o debate.

Mas os analistas não acreditam que a disputa principal vá mudar de repente. Os nomes com mais chances de chegar ao cargo de primeiro-ministro são David Cameron e Ed Miliband. Segundo as pesquisas, os dois partidos estão, cada um, com cerca de 34% da preferência dos eleitores. Portanto, eles ainda têm muito trabalho a fazer nas próximas cinco semanas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.