Grupo francês Casino desafia recessão brasileira, diz Le Figaro

Em um grande artigo, publicado nesta quarta-feira (8) no suplemento de economia, o jornal Le Figaro afirma que o grupo Casino, proprietário do Pão de Açúcar, aborda a desaceleração da economia brasileira como uma oportunidade para ampliar sua presença no país. O jornal conservador informa que, apesar da recessão anunciada no Brasil, o grupo francês de distribuição de alimentos está confiante.

Publicidade

Le Figaro explica como Casino “desafia a recessão brasileira”. A conjuntura atual é muito pior do que quando o grupo francês assumiu o controle do Grupo Pão de Açúcar. Em 2013, o crescimento brasileiro oscilava entre 5% e 7%, o PIB nacional representava 80% do francês e o negócio foi considerado um golpe de mestre.

Dois anos depois, a situação macroeconômica perdeu o brilho, o Brasil deve entrar em recessão em 2015, mas isso não impediu a filial brasileira do Casino de crescer 9,2% no ano passado, e registrar um volume de negócios de € 20,8 bilhões, quase R$ 70 bilhões.

Chave do sucesso

A estratégia multiformato da empresa, que vai do atacado ao varejo, incluindo lojas de eletrodomésticos e o comércio online, explica o crescimento do grupo. O Brasil é o segundo mercado mundial do Casino, atrás apenas da França.

O grupo possui 2.100 pontos de venda no país, concentrados principalmente no sudeste, e quer agora ampliar sua rede de distribuição no nordeste, onde tem apenas 133 lojas. Uma das prioridades é criar novos supermercados de bairro das redes Minuto Pão de Açúcar e Minimercado Extra.

"Não posso dizer que estou otimista, mas estou confiante na nossa capacidade de continuar essa estratégia, mesmo nessa conjuntura pouco atrativa", afirmou Ronaldo Iabrudi, o presidente do Grupo Pão de Açúcar ao Le Figaro. "Nessa conjuntura, alguns de nossos concorrentes não vão resistir", prevê o dirigente.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.