Linha Direta

Positiva no plano político, viagem de Dilma aos EUA termina sem resultados concretos

Áudio 03:44
A presidente brasileira Dilma Rousseff encerrou nesta quarta-feira (1), na Califórnia, sua viagem de cinco dias pelos Estados Unidos.
A presidente brasileira Dilma Rousseff encerrou nesta quarta-feira (1), na Califórnia, sua viagem de cinco dias pelos Estados Unidos. REUTERS/Beck Diefenbach

A presidente brasileira Dilma Rousseff concluiu nesta quarta-feira (1) sua visita de cinco dias aos Estados Unidos. Politicamente positivo, o encontro selou a reaproximação entre os dois países, mas não gerou tantos acordos concretos. Depois de passar por Nova York e Washington, Dilma viajou a São Francisco, na Califórnia, e dedicou seu último dia às inovações tecnológicas da região do Vale do Silício.

Publicidade

Giuliana Vallone, correspondente da Folha de S.Paulo em São Francisco, especial para a RFI

A visita da presidente seguiu um roteiro pré-definido. Nos primeiros dias, em Nova York, o objetivo era se reunir com empresários e investidores para divulgar o novo pacote de concessões em infraestrutura e ampliar o comércio exterior.

Depois, em Washington, Dilma cumpriu a parte política da agenda. Deixou para o fim um dos seus assuntos preferidos: inovação, com a visita ao Vale do Silício, na Califórnia, o maior polo tecnológico do mundo.

Aumento do intercâmbio entre Brasil e EUA

O dia começou com uma reunião com a presidente da Universidade da Califórnia (UC), Janet Napolitano, para discutir a ampliação do intercâmbio entre os dois países. A UC é a universidade dos Estados Unidos com o maior número de estudantes do programa brasileiro Ciências Sem Fronteiras, com cerca de 5% do total.

Depois, Dilma seguiu para o Vale do Silício, onde visitou a Google e almoçou com empresários de tecnologia na Universidade Stanford, incluindo o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg. À tarde, visitou o centro de inovação SRI e a Nasa, onde reuniu-se com empresários do setor aeroespacial.

Visita tecnológica

A presidente estava visivelmente animada. Na Google, ela deu uma volta em um dos carros que se dirigem sozinhos em teste pela companhia, ao lado da filha, Paula, que acompanhou a visita aos Estados Unidos. Após o passeio, em conversa com a imprensa, ela declarou que havia acabado de ‘descer do futuro.’

Ela também foi apresentada a um robô humanóide chamado Proxi, no SRI. E mesmo depois de 12 horas de agenda, manteve o bom humor. Na hora de ir embora, brincou com os jornalistas, dizendo: "olha, vocês vão direto para casa, hein? Nada de ficar bebendo por aí".

Saída pela tangente

Depois de dizer que tinha "descido do futuro", ao sair do carro autônomo da Google, a presidente foi convocada por uma repórter a falar do presente. "Eu ainda estou no futuro, não faça isso comigo, querida", respondeu.

Brincadeiras à parte, Dilma classificou como "insustentável" o reajuste para os servidores do Judiciário, aprovado pelo Senado na terça-feira (30). O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que viajava com a presidente, afirmou que o governo vai vetar o reajuste.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.