Linha Direta

Mais de 1 milhão de argentinos devem cruzar a fronteira para ver Francisco no Paraguai

Áudio 04:27
Depois da Bolívia,  Papa Francisco chega nesta sexta-feira ao Paraguai.
Depois da Bolívia, Papa Francisco chega nesta sexta-feira ao Paraguai. REUTERS/Mariana Bazo

O Papa Francisco chega esta sexta-feira (10) ao último país de sua visita à América do Sul antes de voltar ao Vaticano. Com uma população quase que integralmente católica e bilíngue no idioma guarani, o Paraguai acolherá o pontífice por dois dias. Já que Francisco não visitará seu país de origem, a vizinha Argentina, estima-se que mais de 1 milhão de seus conterrâneos cruzarão a fronteira – o que significa o maior trânsito fronteiriço da história entre os dois países.

Publicidade

Mariana Clini Diana, enviada especial a Assunção, Paraguai.

O país inteiro se mobilizou para receber o Papa com muita hospitalidade. Entre outras obras de infraestrutura concluídas, uma importante estrada que conecta à Argentina, que estava prevista para ser concluída somente em 2016, foi adiantada para receber não somente o Papa, mas também argentinos que pretendem chegar ao Paraguai.

Em cidades como Puerto Falcón, Argentina e Paraguai fizeram um trabalho conjunto. Foram instalados e inaugurados pelo próprio presidente, Horário Cartes, 14 novos postos de imigração para que os fiéis possam ingressar de forma mais rápida ao país. Também foi implementado um sistema de registro online de imigrantes, com o objetivo de facilitar e agilizar o trabalho das autoridades aduaneiras.

Atividades protocolares foram planejadas para o pontífice, como um encontro com o presidente e missas em pontos estratégicos da cidade. As primeiras pessoas que irão recebê-lo serão as internas da prisão feminina Buen Pastor, em Assunção. Assim que aterrissar em solo guarani, Francisco se deslocará à prisão para visitar em torno de 500 reclusas que, para homenageá-lo, irão fazer uma apresentação de coral.

Também está em sua agenda uma visita ao hospital infantil Acosta Ñu, principal centro de tratamento de crianças com câncer do país. Os moradores da comunidade Bañado Norte, uma das mais pobres e carentes da capital, também estão incluídos no roteiro de visitas, assim como as vítimas da tragédia do supermercado YcuáBolaños onde, em 2004, morreram quase 400 pessoas em um incêndio.

Mesmo com uma agenda planejada minuciosamente para sua segurança, espera-se que o Papa visite locais não programados, já que é conhecido por romper protocolos e estar mais perto possível de seus fiéis.

Altar de milho

Mas o que vem chamando mais atenção na cidade de Assunção, é um altar feito unicamente de milho, sementes e coco, inspirado na cultura indígena guarani. A inusual estrutura, elaborada pelo artista Koki Ruiz, mede 25 metros de altura e 14 de largura, onde o Papa Francisco rezará sua última missa para os paraguaios no domingo (12). Os mais de 200.000 cocos usados para a construção foram assinados pelos paraguaios com mensagens e pedidos ao pontífice.

O Papa Francisco, reconhecido por ajudar os pobres, depois de sua visita ao Brasil em 2013, está pela segunda vez oficialmente na América do Sul, região que concentra grande parte de católicos do mundo.
Considerando que um dos desafios de Francisco é recuperar o número de fiéis católicos, em constante diminuição, sua visita ao continente teve atenção a grupos de minorias étnicas e movimentos sociais. O Papa fez orações nos principais idiomas indígenas da região: guarani, aymará e quéchua como forma de aproximar-se a estas culturas.

Ele dirigiu grande parte de seus sermões aos jovens e famílias. E discursou sobre a preservação ambiental, tema frequentemente abordado pelo pontífice, principalmente depois que divulgou a primeira encíclica de sua total autoria focada no assunto.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.