O mês em que a Europa parou: como o confinamento afetou o Velho Continente em números

A pandemia mudou os hábitos de circulação dos europeus, fechou e esvaziou aeroportos e colocou um exército de trabalhadores em situação de desemprego.
A pandemia mudou os hábitos de circulação dos europeus, fechou e esvaziou aeroportos e colocou um exército de trabalhadores em situação de desemprego. iStock

Declarada epicentro da pandemia de coronavírus pela OMS em 13 de março, a Europa colocou sua população em confinamento em ao menos 30 de seus 44 países no mês de março.

Publicidade

A primeira a declarar confinamento nacional foi a Itália, o país europeu mais atingido pela Covid-19 restringiu a circulação de seus habitantes e fechou comércios em 10 de março. A partir de então, Suíça, Espanha, França, Áustria, Bélgica, país após país, anunciaram medidas importantes de isolamento. Em 17 de março, a Europa decidiu fechar as fronteiras do espaço Schengen para entrada de estrangeiros.

O Velho Continente, com seus 740 milhões de habitantes, já identificou 1,1 milhão de pessoas infectadas pelo coronavírus –45% do total de casos confirmados em todo o mundo.

Aos poucos, alguns países europeus começam a planejar o fim do confinamento para sua população e relaxam as regras de isolamento.

No entanto, as ruas completamente vazias mesmo nos lugares mais cheios do mundo deixaram marcas, que vão além das imagens da avenida Champs Élysées sem turistas ou ou da missa de Páscoa intimista rezada pelo papa Francisco no Vaticano.

A pandemia mudou os hábitos de circulação dos europeus, fechou e esvaziou aeroportos e colocou um exército de trabalhadores em situação de desemprego ou em tensão pela continuidade do seu emprego nos próximos meses.

A redução da atividade humana foi sentida mesmo pela Terra, que vibrou menos no último mês por conta do confinamento.

A pausa forçada não tem só más notícias. As grandes cidades registraram impressionante queda na poluição do ar. E, mais importante do que isso, cerca de 120 mil vidas podem ter sido salvas no último mês apenas na Europa --razão primeira para que o esforço seja feito.

Queda de mais de 80% nos deslocamentos para compras e lazer

A Europa mudou seus hábitos no último mês, como mostram os dados de deslocamento da população publicados nos relatórios Covid-19 Community Mobility Report, feitos a partir da geolocalização de celulares de usuários do Google Maps.

Na Espanha, confinada desde 14 de março, houve queda de 92% no número de saídas que tiveram como destino restaurantes, cafés, shopping centers, museus ou cinemas. O relatório de 11 de abril indica ainda queda de 85% em deslocamentos para parques, praias ou praças no último mês.

Em confinamento desde 17 de março, os franceses reduziram em 86% suas saídas para destinos de compras e lazer. A queda registrada na visitação de parques e praias foi de 74%.

Na Itália, confinada nacionalmente desde 10 de março, as saídas para lojas de compras, cafés e pontos de lazer caíram em 86% no período. A visita a parques e praias despencou 83%.

No mesmo período, os europeus também limitaram sua frequência em mercados, padarias e armazéns e outros comércios de abastecimento de comida. Os franceses reduziram em 39% suas saídas para comprar alimentos. Os italianos, em 42%. E os espanhóis, 44%.

O Reino Unido, país em que o primeiro-ministro, Boris Johnson, evitou anunciar o confinamento até 23 de março, a redução na circulação foi um pouco menor no período. Os deslocamentos para compras e lazer caíram em 81%, enquanto as idas a parques e praias foram reduzidas em apenas 37%. O número de saídas para comprar alimentos, por sua vez, caiu em 32% no Reino Unido.

Queda de 97% no número de passageiros em aeroportos

Com o fechamento das fronteiras como estratégia-chave para o controle da circulação do novo coronavírus entre países, as empresas aéreas foram duramente afetadas.

No dia 1° de março, os aeroportos da Europa ainda atendiam a 5,1 milhões de passageiros, total que já era 11,7% menor ao registrado na mesma data de 2019.

Conforme as fronteiras dos países se fechavam, o fluxo se reduzia a cada dia. Em 17 de março, a União Europeia anunciou a proibição da entrada de estrangeiros no espaço Schengen. Com isso, no dia 31 de março, apenas 174 mil passageiros passaram pelos aeroportos da Europa, 97,1% menos do que o número de pessoas que passaram pelos mesmos aeroportos no mesmo dia de 2019

Os números devem ser ainda mais fracos para o mês de abril, alerta o diretor-geral da associação de aeroportos ACI Europe, Olivier Jankovec, no dia 9 de abril. “Com o fim dos voos de repatriação de europeus, os voos que continuam se limitam a voos de carga, para transporte de serviços sanitários e emergenciais.”

Aumento de 3% na taxa de desemprego

A pandemia atingiu a Europa em um momento em que o continente registrava taxas recordes de emprego. Em fevereiro, a União Europeia tinha uma taxa de desemprego de 6,5%, índice mais baixo desde o início da série de dados, em 2000. Na zona comercial do euro, a taxa de desemprego era de 7,3%, a mais baixa desde 2008, segundo as informações mais recentes da organização oficial de estatísticas Eurostat.

Com a paralisia da economia mundial causada pela pandemia, os empregos estão em risco. Um estudo do FMI (Fundo Monetário Internacional) publicado neste mês estima que a taxa de desemprego da zona euro se eleve a 10,4% em 2020 –uma alta de 3,1 pontos percentuais em relação ao número atual.

Os países da Europa tomaram medidas diferentes para proteger seus trabalhadores, o que deve levar a impactos bastante diferentes após a retomada da economia em cada país.

Na França, por exemplo, o governo abriu a possibilidade de que as empresas coloquem os funcionários em “desemprego parcial”, garantindo assim o pagamento de 80% do salário pelo Estado nesse período. Até 15 de abril, 8,7 milhões de franceses estavam em desemprego parcial, o que significa mais que um a cada três assalariados no país.

O FMI estima que a França, que registrava em fevereiro taxa de desemprego de 8,1%, feche o ano de 2020 com taxa de 10,4%.

No caso da Itália, o desemprego deve passar dos atuais 9,7% a 12,7%. A Espanha, que tinha 13,6% de seus trabalhadores sem emprego em fevereiro, deve fechar o ano com índice de 20,8%.

Mesmo países até o momento pouco afetados pelo coronavírus deverão sofrer forte impacto econômico. No caso da Alemanha, o desemprego deve passar de 3,2% a 3,9%, segundo a estimativa do FMI. Portugal deve passar dos atuais 6,1% de desemprego a 13,9%. Para a Noruega, a expectativa é partir dos atuais 3,8% de desemprego para 13% em 2020.

Redução de mais de 30% na vibração sobre a Terra

Com a redução da circulação e das atividades econômicas, as vibrações sobre a Terra caíram drasticamente. Isso é percebido pelo que os geólogos chamam de “barulho sísmico”, fenômeno que descreve as ondas vibratórias provocadas pelas atividades humanas que provocam movimentos na crosta terrestre.

Em Paris, o sismômetro do Instituto de Física do Globo de Paris notou uma redução de 38% do barulho sísmico desde 17 de março, quando a França começou seu confinamento.

O fenômeno foi percebido em todo o continente. Em um artigo publicado na revista científica Nature, sismólogos afirmam conseguir detectar atividades sísmicas com mais precisão por conta da redução no “barulho” das atividades humanas.

Em Bruxelas, o geólogo Thomas Lecocq, do Observatório Real da Bélgica, registrou reduções de 30% a 50% no barulho sísmico.

Redução de 50% na poluição do ar

O mês de exceção trouxe boas notícias para o meio ambiente. A concentração de dióxido de nitrogênio (NO2) no ar das grandes cidades europeias caiu pela metade entre 13 de março e 13 de abril.

O gás -um dos principais poluentes da atmosfera- é criado principalmente pela queima de combustíveis de veículos por usinas térmicas.

Em Paris, a concentração do dióxido de nitrogênio caiu 54% no período, em Roma, 49%, em Madri, 48%, e em Milão, 47%, de acordo com dados publicados pela ESA (Agência Espacial Europeia).

120 mil mortes evitadas até 28 de março

O confinamento teve impacto positivo também na saúde. Segundo uma estimativa feita por pesquisadores da Imperial College of London, as medidas de confinamento e distanciamento social tomadas em 11 países teriam evitado entre 21 mil e 120 mil mortes até o dia 28 de março.

O estudo, que leva em conta apenas cerca de um terço dos países que decidiram por algum tipo de confinamento no continente, indica que os impactantes dados de contaminação e mortes publicados a cada dia seriam muito piores se nada fosse feito.

Na estimativa mais pessimista, teriam sido evitadas mais mortes até o mês de março do que o total registrado na Europa até o dia 18 de abril. A Europa registrou 100 mil mortos pela Covid-19, sendo a Itália (23.227 mortos), a Espanha (20.000), a França (19.323) e o Reino Unido (15.464), os países mais afetados.

Desde o início da pandemia, mais de 300 mil pessoas internadas nos países europeus por conta da Covid-19 conseguiram se curar da doença, segundo os dados da Universidade Johns Hopkins.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.