Acessar o conteúdo principal

Como detectar o coronavírus em 750 pessoas por hora? Com um latido, diz ONG britânica

Norman, um dos cães treinados para detectar o coronavírus.
Norman, um dos cães treinados para detectar o coronavírus. © Fuente: Twitter @MedDetectDogs ·
Texto por: RFI
5 min

A ONG britânica Medical Detection Dogs começou a treinar seus cães para detectar o novo coronavírus utilizando o olfato privilegiado destes animais, após conseguir identificar com sucesso outras doenças como câncer e Parkinson em seres humanos, por meio deste método.

Publicidade

Diante da falta crônica de testes e da pouca confiabilidade nos testes existentes, uma organização especializada na detecção de doenças pelo olfato canino do Reino Unido aposta no melhor amigo do homem na luta contra a Covid-19.

A ONG britânica Medical Detection Dogs acredita que os cães são capazes de detectar o Covid-19 e começaram a treinar seus animais para detectar o novo coronavírus, após identificar com sucesso outras doenças como câncer e Parkinson. A ONG, criada em 2008 para usar o olfato agudo do canino na detecção de doenças humanas, começou a trabalhar no projeto no final de março.

Em sua sala de treinamento em Milton Keynes, no centro da Inglaterra, a organização treina intensamente os cães para farejar amostras do vírus e indicar quando o encontraram. O procedimento é baseado na ideia de que cada doença emite um odor diferente, um cheiro que os cães estão equipados de uma maneira única para identificar.

750 suspeitos de Covid-19 identificados por hora

 

 

Os cães são capazes de farejar 750 pessoas por hora, de acordo com a ONG, que treina “cães médicos”.

"Acreditamos que os cães podem detectar a cCovid-19 e que serão capazes de examinar centenas de pessoas muito, muito rapidamente, para descobrir quem precisa ser testado e isolado", explicou a Dra. Claire Guest, fundadora e CEO da ONG. "Temos evidências de que os cães podem detectar bactérias e outras doenças, por isso acreditamos que levar esse projeto adiante fará uma grande diferença na capacidade de controlar a propagação da Covid-19", acrescentou.

"Alta precisão"

Guest trabalha ao lado da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres (LSHTM) e da Universidade de Durham, no nordeste da Inglaterra, com a mesma equipe que recentemente colaborou para mostrar que os cães podem ser treinados para detectar a malária.

James Logan, chefe do departamento de controle de doenças da LSHTM, diz que o projeto demonstrou que os cães podem identificar odores humanos com "precisão extremamente alta". E ele acredita que existe "uma probabilidade muito elevada" de que eles serão capazes de detectar a Covid-19 de maneira semelhante, e "revolucionar nossa resposta" à doença.

A equipe tem como objetivo treinar os animais durante um período de seis semanas para ajudar a fornecer uma ferramenta de "diagnóstico rápido e não invasivo". Os cães também podem detectar mudanças sutis na temperatura da pele, potencialmente tornando-os úteis para determinar se uma pessoa está com febre, um dos sintomas da doença.

A ONG também foram contatadas pelo governo britânico para explicar como esses animais podem ser aliados valiosos na luta contra a pandemia. Se forem bem-sucedidos, esses dispositivos de detecção peludos de quatro patas poderão ser distribuídos nos aeroportos para identificar pessoas portadoras do vírus, diz Steve Lindsay, da Universidade de Durham. "Isso ajudaria a impedir que a doença volte depois que o atual surto for controlado", diz.

O número de casos confirmados do novo coronavírus em todo o mundo excede os 2,5 milhões de pessoas, embora se acredite que o número de infecções reais seja maior, pois muitos países analisam apenas casos graves ou pacientes que necessitam de hospitalização.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.