Acessar o conteúdo principal

OMS mais frágil do que nunca na véspera de sua assembleia geral

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma coletiva de imprensa em Genebra, Suíça, em 11 de março de 2020.
O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma coletiva de imprensa em Genebra, Suíça, em 11 de março de 2020. Fabrice COFFRINI / AFP
Texto por: RFI
8 min

A Organização Mundial da Saúde (OMS) realiza sua assembleia geral de 17 a 21 de maio, ao mesmo tempo em que enfrenta a maior crise de sua história. Atacada e criticada por seus estados membros, a organização desenvolve esse grande evento em seu pior momento.

Publicidade

Por Simon Rozé

Em 31 de dezembro de 2019, a China, através da Comissão Municipal de Saúde de Wuhan, alertou oficialmente a OMS para a ocorrência de vários casos de pneumonias virais. O novo coronavírus foi então identificado. Esta doença emergente poderia ser transmitida de pessoa para pessoa? As autoridades chinesas diziam que não. No entanto, Taiwan certificou ter alertado a organização no mesmo dia sobre o risco de tal transmissão. Só em 20 de janeiro de 2020, a OMS reconheceu que esta nova doença é transmitida entre humanos.

Três semanas foram perdidas neste meio tempo? Como se pode observar, a OMS não reconhece Taiwan como um de seus estados membros, em grande parte devido à oposição da China, o que explicaria porque ignorou o alerta. De fato, as relações entre Pequim e a organização cristalizam a maioria das críticas contra ela durante esta crise de pandemia. Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da organização, estaria sob o controle dos chineses?

"A OMS realmente perdeu tudo", tuitou Donald Trump em 7 de abril, resumindo muitas das queixas contra a OMS. “É financiada principalmente pelos Estados Unidos, mas ainda muito focada na China. Se o presidente norte-americano justificou sua decisão de se retirar da organização, essas críticas não são menos caricaturais.

OMS dependente de seus estados membros

"A OMS é uma agência intergovernamental: esse é o cerne do problema", explica Auriane Guilbaud, do centro de pesquisa sociológica e política da Universidade Paris 8. "A principal ferramenta na qual a organização se baseia é o regulamento internacional de saúde adotado por seus estados membros em 1951, e revisado desde então. Ele estipula que estes estados devem relatar eventos de saúde pública que tenham sido detectados em seu território. Portanto, a OMS depende de seus estados membros e da confiabilidade de suas informações."

Portanto, as informações fornecidas pelas autoridades chinesas sobre esse início da epidemia seriam confiáveis? "A OMS foi um pouco enganada", disse John MacKenzie ao jornal britânico The Guardian. O consultor do comitê de emergência da organização observa que, quando a China informou a OMS em 31 de dezembro, seus cientistas já haviam sequenciado o genoma do vírus e já sabiam que estavam lidando com o novo coronavírus.

No entanto, as autoridades de Pequim não confirmaram oficialmente até 7 de janeiro, e o genoma completo não foi compartilhado com a comunidade internacional até 12 de janeiro. Da mesma forma, John MacKenzie se pergunta sobre a avaliação comunicada pela China: 59 casos para a primeira semana de 2020, "muito, muito longe do que poderíamos esperar".

Nesse contexto, o que a OMS poderia deveria ter feito? "Como a organização é intergovernamental, deveria ter se aproximado de seu estado membro", disse Auriane Guilbaud. A OMS pediu permissão à China para enviar uma equipe de cientistas à província de Hubei, o epicentro da epidemia. Pequim recusou. "E a OMS não tem poder de sancionar", acrescentou o pesquisador. Somente em 8 de fevereiro as autoridades chinesas autorizaram uma equipe de observadores da OMS em seu território.

Tedros nunca expressou publicamente a relutância da China em cooperar. Mas fez o contrário, no dia 28 de janeiro, quando encontrou Xi Jinping a portas fechadas e elogiou os esforços chineses dois dias depois para conter a doença: "Um novo modelo de controle de epidemias”. No entanto, foi no mesmo dia 30 de janeiro que a OMS declarou a Covid-19 como uma emergência de saúde de alcance internacional. Para Auriane Guilbaud, nesta sequência, "a OMS desempenhou o papel de ator diplomático para preservar suas relações com seus estados membros, incluindo a China. É uma linha pragmática, tivemos que preservar relacionamentos".

O exemplo do SRAS

De fato, sendo dependente de suas informações, a Organização Mundial da Saúde sempre poupou a China durante esta crise. No entanto, nem sempre desempenhou esse papel. Em novembro de 2002, o governo chinês descobriu em seu solo uma nova doença respiratória, a SARS, e não informou a OMS. Mas, na época, sob a liderança de seu então executivo-chefe, Gro Harlem Brundtland, a organização monitorou os fóruns médicos chineses e, portanto, estava ciente dessa pneumonia atípica. Com essa informação em mãos, a OMS recorreu aos líderes chineses, que a notificaram oficialmente pouco depois.

Brundtland não teve medo de acusar publicamente a China de manter essas informações para si mesma, impedindo que a epidemia fosse contida, "se a OMS pudesse ter feito uma intervenção antes e enviado suas equipes para lá". Após essas declarações, Pequim rapidamente cooperou.

Por que a OMS não seguiu a mesma linha quase vinte anos antes? Provavelmente porque ela perdeu sua aura. Em 2003, quando a epidemia de SARS estava se espalhando em vários países (Hong Kong, Vietnã e Canadá), a organização emitiu pela primeira vez um aviso aconselhando contra viajar para as áreas afetadas. Embora a OMS não tenha o poder de evitar o voo de aviões, esse conselho foi seguido.

Após esta epidemia, a resposta da OMS foi geralmente considerada um sucesso. Apenas 26 países foram afetados pela doença e menos de 1.000 pessoas morreram. "Brundtland fez coisas pelas quais a OMS não tinha mandato", lembra David Fidler, consultor da organização. O motivo é que não são os tratamentos nem as vacinas que superaram a SARS, mas a troca global de informações, restrições de viagem, e as políticas de rastreamento e isolamento dos doentes.

A OMS tornou-se inaudível

Tanto para a epidemia de Ebola de 2014 como para a Covid-19, a OMS não pediu o fechamento das fronteiras. "Em 2014, alguns estados as fecharam", lembra Auriane Guilbaud. "A OMS então os criticou, dizendo que fazia mais mal do que bem. A OMS também levou vários meses para declarar uma emergência para o surto de Ebola”, afirmou.

Fidler acredita que isso atrasou ainda mais a ajuda internacional essencial e enfraqueceu bastante a liderança da OMS. Hoje, essa falta é flagrante: "Muitos estados não seguem mais as recomendações", analisa Auriane Guilbaud. Richard Horton, editor-chefe da prestigiosa revista médica The Lancet vai além: "Os estados, e especialmente os estados ocidentais, não deram ouvidos. Em vez disso: eles não tentaram entender o que estava acontecendo na China no início de 2020. " Portanto, podemos considerar que a declaração de uma pandemia em 11 de março foi puramente retórica para instar os Estados membros da OMS a fazer mais do que estava sendo feito, uma vez que a emergência internacional da saúde já os estava forçando a reagir.

De fato, a organização sempre repetiu alguns princípios simples que os estados devem aplicar: reduzir a exposição pública à doença, em particular identificando todas as cadeias de contaminação. "Você tem que testar, testar, testar", continuou martelando Tedros por vários meses. No entanto, ele não foi ouvido, já que, com exceção da Coreia do Sul e da Alemanha, a maioria dos países ocidentais se destacou por suas deficiências até o confinamento se tornar inevitável - alguns países apostaram mesmo em uma imunidade populacional pela contaminação, contra todas as recomendações.

A OMS também está enfrentando um desaparecimento quase completo da cooperação internacional em questões de saúde - exceto cientificamente. Imagens de governos requisitando máscaras em detrimento de outros países, outros querendo arrogar a possibilidade de uma possível vacina ... Não faltam exemplos e, é claro, como a retirada norte-americana da organização.

Atualmente se trata apenas de uma suspensão, mas os Estados Unidos fornecem 15% do orçamento da OMS. Portanto, isso necessariamente afetará os programas e, paradoxalmente, dará mais poder à China - precisamente o que Washington denuncia com essa retirada. Na área epidêmica, a cooperação internacional é essencial: "A circulação de informações é essencial e é um desafio; 194 Estados membros precisam trabalhar juntos e alguém precisa fazer isso. A OMS é a única organização de saúde com vocação universal", afirmou Auriane Guilbaud.

Uma assembleia geral sob o signo da Covid-19

É portanto com esse papel enfraquecido que a Organização Mundial da Saúde fará sua assembleia geral, de 17 a 21 de maio. Geralmente dedicada a questões de governança, ela corre o risco de ser inteiramente dedicada à pandemia do Covid-19. Além disso, "deverá ser uma assembleia virtual", antecipou Guilbaud. "É uma pena, porque normalmente há muitas discussões ao vivo, e isso não será possível. Ainda assim será muito interessante seguir o encontro, será necessário ver como os estados membros se posicionam em relação ao Diretor-Geral, se ele continua a ser apoiado."

Após cada epidemia, a OMS sempre avalia eventos passados. As lições são aprendidas e levam a medidas mais ou menos em larga escala. A organização parece hoje mais frágil do que nunca. O que acontecerá no futuro? Seus estados membros concordarão em lhe dar mais espaço? “Ainda estamos no meio de uma crise. Essas medidas serão para mais tarde”, conclui Auriane Guilbaud.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.