Acessar o conteúdo principal

França veta oficialmente uso da hidroxicloroquina para tratar Covid-19

Comprimidos de Nivaquine e Plaquénil, usados na França contra a malária.
Comprimidos de Nivaquine e Plaquénil, usados na França contra a malária. AFP / Gérard Julien
Texto por: RFI
3 min

O governo da França proibiu nesta quarta-feira (27) oficialmente o uso da hidroxicloroquina para tratar a Covid-19 nos hospitais, depois que dois organismos responsáveis pela saúde pública no país se declararam contrários à utilização da substância. 

Publicidade

Desde o fim de março, a hidroxicloroquina – um medicamento derivado da cloroquina, prescrita há várias décadas contra a malária – era utilizada, de maneira excepcional, nos hospitais franceses para tratar casos graves do novo coronavírus. A revogação do tratamento ocorre após a publicação, na semana passada, dos resultados de uma ampla pesquisa na respeitada revista médica The Lancet. O estudo apontou a ineficácia da molécula na evolução da nova infecção viral e os efeitos colaterais graves que ela pode causar aos enfermos da Covid-19. 

A substância, promovida na França pelo controverso professor Didier Raoult, de Marselha, continua sendo defendida pelos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro, apesar dos riscos evocados por vários especialistas, principalmente cardíacos.

Uso em testes clínicos continua temporariamente autorizado

A decisão do governo francês acontece após uma opinião desfavorável emitida na terça-feira (26) pelo Alto Conselho da Saúde Pública (HCSP), consultado pelo governo após a divulgação do estudo da revista The Lancet. O HCSP recomendou "não usar a hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19 fora dos ensaios clínicos, sozinha ou em combinação com um antibiótico".

Um comunicado do Ministério da Saúde ressalta que a prescrição da molécula está banida tanto para pacientes contaminados pelo coronavírus que procuram atendimento em consultórios médicos, quanto nos hospitais que recebem os casos severos da doença. O ministro da Saúde, Olivier Véran, enfatizou que "a França foi marcada por tragédias de saúde relacionadas ao uso indevido de certas drogas".

A Agência Nacional de Segurança do Medicamento e Produtos de Saúde (ANSM) anunciou em paralelo que iniciou, "por precaução", o procedimento de suspensão de testes clínicos que avaliam o uso da hidroxicloroquina em pacientes com a Covid-19.

O medicamento, comercializado sob o nome de Plaquénil na França, faz parte de numerosos tratamentos testados desde o início da epidemia do novo coronavírus. O remédio permanece autorizado para combater doenças autoimunes, lúpus ou poliartrite reumatóide.

O decreto publicado hoje no Diário Oficial também põe fim à prescrição, fora de testes clínicos contra a Covid-19, do medicamento que associa lopinavir e ritonavir, dois antirretrovirais desaconselhados pela ANSM por seus riscos cardíacos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.