Acessar o conteúdo principal

União Europeia autoriza uso do antiviral Remdesivir contra a Covid-19

Remdesivir é um medicamento experimental produzido pelo laboratório norte-americano Gilead Sciences.
Remdesivir é um medicamento experimental produzido pelo laboratório norte-americano Gilead Sciences. POOL/AFP/Archivos
Texto por: RFI
2 min

A Comissão Europeia autorizou provisoriamente nesta sexta-feira (3) o uso do remédio antiviral Remdesivir para o tratamento de pacientes com coronavírus na União Europeia (UE), após a aprovação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Publicidade

Bruxelas finalmente autorizou a venda e compra do medicamento antiviral Remdesivir. Este tratamento é o primeiro a ser usado exclusivamente para melhorar os sintomas dos pacientes com Covid-19, embora tenha sido originalmente criado para o vírus Ebola.

A liberação do antiviral para a doença ocorre após a recomendação da semana passada feita pela Agência Europeia de Medicamentos. De acordo com estudos, os pacientes de Covid-19 que usam Remdesivir recuperam uma média de 4 a 6 dias antes do que o resto dos pacientes.

"Nós concedemos essa autorização menos de um mês após o envio do pedido", disse a comissária de saúde, Stella Kyriakides, para quem isso demonstra "a determinação da UE em responder rapidamente" a novos tratamentos.

A autorização condicional de introdução no mercado é reservada nno bloco europeu para os medicamentos cujos benefícios são estimados em maiores do que seus riscos, apesar de ainda não terem dados completos sobre a eficacia do antiviral contra a doença. A duração da autorização é de um ano, renovável por mais um ano.

Tensão com Estados Unidos

A autorização de seu uso ocorre em plena tensão com os Estados Unidos, depois que o governo Donald Trump confirmou que o país havia comprado as reservas  mundiais do mremédio pelos próximos três meses.

Portanto, a Comissão Europeia está agora em negociações com a Gilead, empresa que produz o Remdesivir, para garantir que todos os países europeus também tenham acesso a ele.

Esse movimento dos Estados Unidos provocou temores na Europa, porque se os norte-americanos já quiseram monopolizar todo o Remdesivir, o que Donald Trump não poderá fazer ao criar uma vacina? Por esse motivo, Bruxelas também está discutindo com várias empresas farmacêuticas para que Washington não tente controlar todas as ações.

A molécula do laboratório norte-americano Gilead Sciences foi desenvolvida para tratar pacientes com febre hemorrágica do Ebola, sem sucesso, mas durante um estudo nos Estados Unidos, mostrou alguma eficácia contra a Covid-19.

Seu uso já foi autorizado em casos de emergência nos Estados Unidos e no Japão.

Em sua recomendação, antes da autorização da Comissão com a aprovação dos 27 países europeus, a EMA propõe seu uso para adultos e adolescentes a partir dos 12 anos que sofrem de pneumonia causada por Covid-19 e precisam de oxigênio.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.