Acessar o conteúdo principal

Covid-19: estado de emergência sanitária chega ao fim na França

O ministro da Saúde francês Santé Olivier Véran defende ação do governo na gestão da epidemia do coronavírus
O ministro da Saúde francês Santé Olivier Véran defende ação do governo na gestão da epidemia do coronavírus Ludovic MARIN / POOL / AFP
Texto por: RFI
2 min

O estado de emergência instaurado na França há 16 semanas por conta da epidemia do coronavírus chega ao fim à meia-noite desta sexta-feira (10), mas o ministro da Saúde francês, Olivier Véran, pediu aos franceses que permaneçam "vigilantes no cotidiano". O ministro disse ter observado "um relaxamento no comportamento da população" que visa limitar a transmissão do vírus, como o uso de máscaras ou o distanciamento físico.

Publicidade

O ministro confirmou que a epidemia no país continua sob controle, mas pediu prudência."Os franceses estão com vontade de tirar férias e esquecer de tudo o que viveram nos últimos meses. Mas não devem deixar de lado as medidas de proteção", declarou o ministro em entrevista ao canal de TV francês BFMTV. "Eles não devem se esquecer também que o vírus continua circulando. Não é preciso viver em um estado de angústia permanente, sem tirar o vírus da cabeça, mas é preciso ser vigilante", insistiu.

"Observo um relaxamento em certas situações, em todos os meios", reiterou, citando a recente posse do gabinete do novo premiê, Jean Castex, onde alguns ministros não respeitaram a distância. "Temos que ser impecáveis", insistiu. Ele reconheceu, entretanto, que todo mundo pode ter momentos de desatenção, "incluindo ele próprio." 

O ministro francês também pediu que os deputados colocassem uma máscara de proteção durante as sessões da Assembleia Nacional, para não criar um foco de propagação no local. Na primeira onda, em março, diversos políticos foram contaminados.

Véran garantiu que um novo confinamento por enquando está fora de questão. Segundo ele, apenas 1,1% dos testes realizados são positivos, o que indica uma baixa circulação do vírus.

Discotecas continuam fechadas

O fim do estado de emergência sanitária neste sábado (11) marca algumas mudanças na gestão da epidemia, mas medidas restritivas ainda poderão ser adotadas pelo governo caso haja um rápido aumento nas contaminações. Entre elas, a circulação de pessoas e veículos e a abertura ou fechamento de estabelecimentos comerciais. Oficialmente, o governo pode regulamentar ou proibir algumas atividades por decreto até o dia 30 de outubro.

De uma maneira geral, a partir deste sábado, os proprietários poderão novamente expulsar inquilinos inadimplentes e solicitar a indenização do Estado quando as expulsões não forem executadas. Estádios e hipódromos também poderão reabrir, recebendo um público de, no máximo, 5.000 pessoas.

Uma nova análise da situação epidemiológica será realizada pelo governo francês para decidir se haverá um relaxamento ainda maior das regras a partir da metade de agosto, incluindo a retomada dos jogos da Liga 1, por exemplo.

Os cruzeiros fluviais também estão autorizados. Já os marítimos dependerão dos acordo entre os países europeus e das regras estipuladas por cada país. As discotecas por enquanto continuarão fechadas até setembro. Até agora, o governo francês não precisou adotar medidas locais de confinamento, diante do aumento do número de casos, contrariamente à Espanha, Portugal ou Reino Unido.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.