Acessar o conteúdo principal

Novo estudo mostra que anticorpos específicos contra Covid-19 desaparecem após alguns meses

Resposta imunológica do organismo à Covid-19 ainda não foi totalmente explicada.
Resposta imunológica do organismo à Covid-19 ainda não foi totalmente explicada. National Institutes of Health/AFP/File
Texto por: RFI
2 min

A imunidade adquirida após a infecção pelo SARS-Cov-2, baseada nos anticorpos, desaparece na maior parte dos casos em alguns meses. É o que mostra uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira (13) no site especializado medrxiv, realizado por uma equipe do King's College de Londres.

Publicidade

"Se a infecção cria níveis de anticorpos que diminuem após dois ou três meses, a vacina fará provavelmente a mesma coisa e uma única injeção talvez não seja suficiente", disse Katie Doores, uma das principais autoras do estudo, ao jornal britânico The Guardian.

Os pesquisadores analisaram a resposta imunológica de mais de 90 casos confirmados. O estudo mostrou que os níveis de anticorpos neutralizadores, capazes de destruir o vírus, atingiram um pico em média três semanas depois do aparecimento dos primeiros sintomas, para cair em seguida.

As análises sanguíneas realizadas mostraram que mesmo os indíviduos com sintomas leves tiveram uma resposta imunitária ao vírus, mas menor do que em formas mais graves. Por outro lado, apenas 16,7% dos participantes ainda tinham altas taxas de anticorpos neutralizadores 65 dias depois do início dos sintomas.

O estudo também eliminaria a hipótese de uma imunidade coletiva após a contaminação de 60% ou 70% da população. Os especialistas, entretanto, explicaram que a imunidade não se baseia unicamente nos anticorpos específicos, mas existem outras células do sistema imunológico que protegem o organismo e podem "memorizar" uma primeira infecção. 

Memória imunitária pode proteger contra nova infecção

"Os anticorpos podem ser indetectáveis, mas isso não significa que não há uma imunidade protetora. Essas células da memória imunitária podem entrar  em ação e proteger o organismo se o indíviduo entra novamente em contato com o vírus. Então é possível que a nova infecção seja mais benigna", explicou a professora de imunologia viral Mala Maini, consultora do University College de Londres.

Como a imunidade relacionada ao vírus ainda é um mistério, "todos que tenham um teste de anticorpos positivo, principalmente aqueles que não sabem explicar onde tiveram  contato com o vírus, deveriam ser prudentes, manter a distância física e usar uma máscara de proteção", resumiu James Gill, professor da Warwick Medical School.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.