Acessar o conteúdo principal

Preço do ouro bate recordes e se reafirma como "valor de refúgio" na pandemia

Lingotes de ouro.
Lingotes de ouro. © Wikipedia
Texto por: RFI
4 min

Um dos efeitos da pandemia de coronavírus é o aumento do preço do ouro. A onça do metal precioso quebrou um recorde no início deste mês, ultrapassando a barreira simbólica de US$ 1.800.

Publicidade

O ouro prova mais uma vez que é um "valor de refúgio". Para entender como o metal precioso funciona como lastro, a RFI entrevistou o economista Gabriel Roche-Giménez, professor da Neoma Business School em Rouen.

RFI: O preço do ouro chegou no meio do mês aos patamares de 2011, quando subiu o mais alto. Nestes tempos incertos da pandemia, por que seu valor está aumentando tanto?

Gabriel Roche-Giménez: Quando surge uma crise, por exemplo a do coronavírus, as pessoas querem ter liquidez, ou seja, a capacidade de descartar moedas, bens e ativos, que podem ser facilmente convertidos em dinheiro. É por isso que eles procurarão moedas respeitáveis, entre outras, o dólar, o euro, o iene, mas também buscarão metais preciosos, como ouro, prata, diamantes. As moedas criptográficas também estão muito na moda no momento.

RFI: O ouro também é uma mercadoria rara.

Gabriel Roche-Giménez: De fato. O ouro é produzido em quantidade muito menor que o papel-moeda. Quando surge uma crise, os bancos centrais dos países envolvidos, nos Estados Unidos e na Europa, não hesitam em aumentar massivamente a oferta de moeda, ou seja, a quantidade de papel-moeda. O caso do ouro é diferente. O ouro é um bem, não é papel. O ouro deve ser produzido. Você tem que encontrar as minas, ter perspectiva. Isso leva muito tempo, é muito complicado e muito caro. Portanto, a oferta de ouro não pode aumentar tão rápido quanto a demanda por ouro.

RFI: No passado, o ouro também era uma moeda.

Gabriel Roche-Giménez: Sim, até o início do século XX, o ouro era oficialmente uma moeda, era a base monetária dos principais países desenvolvidos. E, por mais que tenha perdido o status da moeda, ainda é uma boa reserva de liquidez.

RFI: É por isso que o ouro é considerado um porto seguro?

Gabriel Roche-Giménez: Exatamente. Possui circulação internacional, reputação muito boa, sua oferta não aumenta imediatamente com variações na demanda. Isso faz com que o ouro mantenha ou mesmo aumente seu valor, especialmente agora, quando as pessoas buscam liquidez. Ou seja, a demanda por liquidez aumenta e, portanto, a demanda por ouro também aumenta muito. Por outro lado, a oferta de ouro não acompanha esse aumento na demanda; portanto, o preço aumenta muito.

RFI: E é o que estamos vendo ultimamente.

Gabriel Roche-Giménez: Isso mesmo. A crise do coronavírus começou, falando oficialmente, em janeiro passado, e o preço médio do ouro ficou em torno de US$ 1.580. Desde então, de janeiro a hoje, praticamente aumentou entre 17% e 18%. E com relação à média anual do preço do ouro nos últimos cinco anos, que era de cerca de US$ 1.300 a onça, quando é agora por volta de US$ 1.855, vemos que há uma valorização de mais de 40% do produto.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.