Facebook desmantela rede de contas que promoviam Trump a partir da Romênia

O Facebook diz que uma campanha pró-Trump dirigida da Romênia enganou os usuários ao postar conteúdo que fingia ser de norte-americanos.
O Facebook diz que uma campanha pró-Trump dirigida da Romênia enganou os usuários ao postar conteúdo que fingia ser de norte-americanos. AFP/File

O Facebook desmantelou uma rede de cerca de 120 contas em sua plataforma e em seu aplicativo Instagram, envolvidas em uma operação para promover a campanha de reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e coordenada da Romênia, anunciou a empresa nesta quinta-feira (6).

Publicidade

Os autores desta operação usavam relatos falsos e fingiam ser norte-americanos, criando inclusive páginas falsas de supostos apoiadores do chefe de Estado. A rede de contas publicou conteúdo sobre a campanha promovendo o apoio afro-americano ao presidente, as crenças cristãs e o movimento de conspiração Qanon.

No total, em julho, as duas plataformas removeram mais de 1.000 contas identificadas como "não genuínas" por seu comportamento que tinha como objetivo enganar o público sobre suas intenções ou origens.

Essas campanhas coordenadas "manipulam o debate público para fins estratégicos", disse Nathaniel Gleicher, diretor de regulamentações de segurança cibernética do grupo Facebook. “Eles confundem os limites entre debates saudáveis ​​e manipulação”.

Operação de desinformação

A gigante das mídias sociais está intensificando os esforços para combater a desinformação e a interferência estrangeira no período que antecede a eleição presidencial dos EUA.

"Estamos lidando com uma parte do problema que é um desafio para toda a sociedade. Está cada vez mais claro que uma organização não pode fazer isso sozinha", disse o gerente sênior da empresa da Califórnia .

Suas palavras ecoaram as do chefe do grupo, Mark Zuckerberg, que pediu repetidamente aos políticos que examinassem os limites a serem estabelecidos em termos de conteúdo e comportamento que podem ou não ser toleráveis ​​em plataformas digitais.

As páginas da campanha no Facebook da Romênia eram seguidas por 1.600 pessoas e as contas no Instagram por 7.200 pessoas.

"Não encontramos nenhuma prova de suas motivações, financeiras ou não", disse Nathaniel Gleicher em entrevista coletiva. "Talvez eles estivessem apenas construindo uma audiência para monetizar mais tarde".

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.