Segurança aérea/Terrorismo

IATA pede cooperação para mais segurança em voos

Retratos de Hassan al Asiri, procurado pela polícia iemenita.
Retratos de Hassan al Asiri, procurado pela polícia iemenita. Reuters/Yemeni Police/Handout

Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA; na sigla em inglês) pediu hoje mais cooperação entre governos e companhias aéreas para que a segurança a bordo dos aviões possa ser reforçada. O apelo foi feito quatro dias depois que Washington divulgou ter interceptado pacotes com explosivos originários do Iêmen, que viajavam em aviões de carga com destino aos Estados Unidos.

Publicidade

Nesta terça, o Iêmen lançou uma vasta operação militar para tentar encontrar um dos principais suspeitos no caso, o jovem saudita Ibrahim Hassan al Assiri. A operação, que terá a participação do exército e dos serviços secretos iemenitas também tem como objetivo capturar um imã procurado pelos Estados Unidos por suposta ligação com a rede Al Qaeda.

Após o anúncio dos pacotes suspeitos, diversos países europeus reforçaram medidas de segurança em seus aeroportos. As autoridades iemenitas lamentaram hoje a decisão do governo da Alemanha de proibir, em seu território, todos voos comerciais e de carga provenientes do Iêmen.

Um porta-voz do governo iemenita disse manter boas relações com a Alemanha e afirmou que países amigos deveriam ajudar o Iêmen a combater o terrorismo ao invés de recorrerem a decisões que, segundo o porta-voz, parecem mais "punições coletivas".

Os pacotes, originários do Iêmen, teriam sido preparados por extremistas da rede terrorista Al Qaeda, segundo as autoridades norte-americanas. O governo do Iêmen anunciou medidas de segurança após o anúncio da descoberta dos pacotes.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.