Camboja/Tragédia

Cambojanos começam a identificar vítimas pisoteadas

Mais de 300 pessoas morreram pisoteadas nesta segunda-feira na capital cambojana, em Phnon Pen no terceiro e último dia da festa das Águas.
Mais de 300 pessoas morreram pisoteadas nesta segunda-feira na capital cambojana, em Phnon Pen no terceiro e último dia da festa das Águas. Reuters

Centenas de cambojanos tentavam reconhecer nesta terça-feira os corpos das vítimas do tumulto que causou a morte de quase 380 pessoas no dia anterior. Em pronunciamento na televisão, o primeiro-ministro Hun Sen pediu desculpas à população e decretou luto nacional nesta quinta-feira.

Publicidade

Muito abatidos, os cambodjanos continuam nesta terça-feira a identificação dos corpos nos necrotérios instalados às pressas em Phnom Pehn. Uma investigação aberta pelas autoridades tenta esclarecer as causas da tragédia.

Uma das hipóteses é de que teria havido um rumor de que a ponte entre a ilha dos Diamantes e o continente estaria fragilizada, provocando um movimento brusco da multidão para deixar o local. Outra hipótese é a de que o pânico teria sido provocado por informações de que várias pessoas haviam sido eletrocutadas.

O tumulto de segunda-feira, último dia da Festa das Águas, um dos eventos mais populares do Camboja, causou a morte de 375 pessoas, a maioria mulheres, e deixou 755 feridos. A maioria das vítimas morreu pisoteada numa ponte que faz a ligação da capital com a ilha dos Diamantes, no rio Mekong, onde acontece a festa. As autoridades não encontraram nenhum estrangeiro entre as vítimas, mas alertam que o balanço ainda é provisório.

Reações

Em nome do povo americano e do presidente Barack Obama, os Estados Unidos enviaram uma mensagem de condolências ao governo do Camboja "lamentando profundamente" a tragédia dessa segunda-feira.

A secretária de Estado Hillary Clinton assina o texto e afirma que pôde observar, em uma visita feita ao país no início do mês, "a força e a capacidade dos cambojanos de superar traumas" históricos.

O presidente russo, Dmitri Medvedev, também lamentou a tragédia e desejou a rápida recuperação dos feridos.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.