Venezuela/Política

Oposição da Venezuela ganha espaço, mas continua de mãos atadas

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez Reuters

Depois de cinco anos de dominação dos chavistas, a nova Assembleia toma posse hoje, em Caracas, com maior presença da oposição. Mas a lei que garante plenos poderes ao presidente deve "cortar as asas" dos seus rivais políticos. 

Publicidade

A nova composição da Assembleia venezuelana conta com cerca de 40% de deputados da oposição, um revés político para o presidente Hugo Chávez, que dominou o Legislativo nos últimos cinco anos.

Dos 165 deputados da Casa, 98 são do partido governista PSUV e 67 da oposição, representada por partidos que vão da centro-esquerda à direita conservadora.

Apesar da conquista política, os opositores não poderão, como esperavam, exercer um contra-poder legislativo. Prevendo mais debate em torno dos projetos do Executivo, Chávez se antecipou em dezembro e conseguiu, ainda com apoio do Congresso chavista, aprovar uma lei que lhe garante plenos poderes. Durante 18 meses, o presidente venezuelano poderá governar por decreto em várias áreas, tempo cronometrado para garantir as presidenciais de 2012. Em outras palavras, uma ducha fria nas ambições dos seus rivais políticos de abocanhar mais espaço nas ações governamentais.

Alguns analistas, como Ricardo Sucre, professor de Estudos Políticos na Universidade Central da Venezuela, estimam que, governando por decreto, Chávez instala de maneira velada uma ditadura na Venezuela, contra os interesses da população.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.