Tunísia/manifestações

Sob pressão, presidente daTunísia Ben Ali renuncia

Premiê Mohammed Ghannouchi durante discurso na televisão ao assumir o poder na Tunísia.
Premiê Mohammed Ghannouchi durante discurso na televisão ao assumir o poder na Tunísia. Reuters

O presidente tunisiano deixou o país na noite desta sexta-feira. Ele foi substituído interinamente pelo primeiro-ministro Mohammed Ghannouchi. Pouco antes, Tunis havia decretado estado de emergência no pais e anunciado a destituição do governo e eleições antecipadas para tentar conter as manifestações e protestos populares.

Publicidade

O espaço aéreo tunisiano foi fechado e o exército passou a ocupar o aeroporto da capital Tunis. Um fotógrafo francês da agência europeia EPA teria sido ferido na cabeça e transferido a um hospital, segundo um repórter da agência France Presse. O presidente tunisiano, Zine El Abidine Ben Ali, destituiu hoje o governo e decidiu convocar eleições legislativas dentro de seis meses. O país vive clima de violentos protestos populares contra o governo e o custo de vida. Os confrontos e a repressão já provocaram dezenas de mortos.

A promessa feita na quinta-feira de que não iria ser candidato à reeleição em 2014 não bastou para acalmar a população, que voltou às ruas hoje, exigindo a renúncia imediata de Ben Ali, de 74 anos e desde 1987 no poder. Milhares de pessoas manifestaram na capital Tunis, diante do Ministério do Interior, com faixas e slogans contra o governo.

O estado de emergência decretado em todo o país impõe um toque de recolher entre 18h às 6h da manhã. A medida também proíbe concentrações em vias públicas, além de autorizar as forças de segurança a atirar contra “suspeitos” que não obedeçam a ordens.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.