Líbano/crise

Novo premiê libanês continua com dificuldades para formar gabinete

O novo primeiro-ministro libanês, Najib Mikati.
O novo primeiro-ministro libanês, Najib Mikati.

O novo primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, continua encontrando resistência para a formação de seu governo. Nessa quinta-feira o campo do ex-premiêr Saad Hariri impôs novas condições a Mikati.

Publicidade

Se quiser contar com o apoio dos parlamentares, o novo primeiro ministro libanês Najib Mikati vai ter que se explicar sobre questões sensíveis. Foi o que disse nessa quinta-feira o deputado Fouad Siniora, representante do grupo parlamentar do ex-primeiro ministro Saad Hariri.

O ponto mais delicado citado por Siniora é a posição de Mikati sobre o Tribunal Especial para o Líbano, entidade que investiga e julga os responsáveis pelo assassinato do ex-premiê Rafic Hariri, pai de Saad.

O deputado pede a Mikati a garantia de que o tribunal possa continuar seu trabalho normalmente, sem cortes de financiamento ou demissões de juízes, o que poderia bloquear o processo.

O tribunal especial de investigação do assassinato de Rafic Hariri apontou a responsabilidade do Hezbollah no atentado. E como Najib Mikati foi nomeado por decreto graças ao apoio do grupo, seus opositores temem que o novo governo interrompa o processo.

Enquanto isso a Síria, país aliado do Hezbollah, confirmou seu apoio ao novo chefe de governo libanês. Em comunicado oficial nesta quinta-feira o chefe da diplomacia síria Walid Mouallem pediu para que todos os partidos do Líbano participem do governo de Najib Mikati.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.