Mianmar/Parlamento

Primeira sessão parlamentar em Mianmar acontece em sigilo

Naypyidaw, a nova capital situada a 400 km ao norte de Rangoon.
Naypyidaw, a nova capital situada a 400 km ao norte de Rangoon. Reuters

O Parlamento de Mianmar, ex-Birmânia, totalmente controlado pela Junta Militar desde as eleições de novembro passado, reuniu-se pela primeira vez nesta segunda-feira. A sessão aconteceu a portas fechadas.

Publicidade

A primeira sessão das duas câmaras do Parlamento foi realizada na capital Naypyidaw, construída cinco anos atrás no meio da floresta. Nenhum jornalista pode assistir à cerimônia. Os parlamentares atravessaram de ônibus as avenidas largas e vazias da cidade que teve a segurança reforçada.

Outros 14 parlamentos regionais também tomaram posse na mesma hora, às 8h55 da manhã, um horário sugerido por astrólogos consultados pela junta militar que governa o país. Ao todo, tomaram posse mais de 1.100 eleitos, sendo 75% deles, do Partido da Solidariedade e do Desenvolvimento do país, que apoia o regime no poder. Ao lado deles estarão 388 militares designados para compor o legislativo.

A primeira sessão parlamentar é a sexta das sete etapas de um programa criado há sete anos para implantar na ex-Birmânia uma "democracia disciplinada". As eleições de novembro do ano passado foram condenadas pelos ocidentais devido a fraudes e foram boicotadas pelo partido da líder Aung Sang Suu Kyi. Especialistas consideram que a tentativa do regime de criar um sistema parlamentarista pode ser o início de uma nova era na política no país ou se revelar uma verdadeira farsa.

Em entrevista ao jornal Financial Times, a líder da oposição, Suu Kyi, afirma não acreditar que haverá grandes mudanças no país e apesar de excluída da vida política vai continuar com sua militância. Seu movimento inaugurou hoje um site na internet para mobilizar a oposição em Mianmar.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.