Acessar o conteúdo principal
Egito/ julgamento

Ex-ditador egípcio é julgado por corrupção e assassinatos durante revoltas populares

Hosni Mubarak assiste à audiência deitado em uma maca e atrás das grades.
Hosni Mubarak assiste à audiência deitado em uma maca e atrás das grades. REUTERS/Egypt
Texto por: RFI
3 min

Começou nesta quarta-feira um julgamento histórico para os egípcios: o do ex-ditador Hosni Mubarak, que responde a acusações de corrupção e assassinatos de manifestantes durante a revolta popular que o tirou do poder, entre janeiro e fevereiro deste ano. Deitado em uma maca, o ex-presidente se disse inocente dos crimes.

Publicidade

"Todas essas acusações, eu as nego completamente", afirmou, ao ser solicitado. Mubarak comparece diante da Justiça ao lado de dois de seus filhos, de seu ex-ministro do Interior, Habib el-Adli, e de outros seis responsáveis pela segurança do seu antigo regime, que também negaram serem culpados. Eles são acusados de desviar milhões de dólares de dinheiro público e ter ordenado a morte de cerca de 850 pessoas durante os protestos anti-governo. O ex-ditador, seus filhos e colaboradores podem ser condenados a prisão perpétua.

Mubarak deixou na manhã de hoje o hospital na estação balenária de Charm el Sheik, onde cumpre prisão preventiva, e chegou a um tribunal na periferia do Cairo em uma maca. Esta foi a primeira aparição pública dele desde sua renúncia, em 11 de fevereiro. Pálido e vestido de branco, a cor usada por suspeitos que ainda não foram julgados, no Egito, o ex-ditador foi visto conversando com os seus filhos, pouco antes de o julgamento se iniciar.

A audiência acontece em um tribunal instalado em uma academia de polícia, cercada sob forte esquema de segurança. Os acusados estão separados da côrte por grades. O presidente do Tribunal Penal do Cairo, Ahmed Refaat, pediu silêncio absoluto durante a audiência e ameaçou expulsar qualquer pessoa que desrespeitar a regra. O processo está sendo retransmitido ao vivo pela televisão estatal.

Antes do início do julgamento, houve confronto entre opositores e simpatizantes do ex-ditador. A polícia interveio e separou os dois grupos através de um cordão de isolamento.

Mubarak permaneceu por 29 anos na presidência do Egito. O advogado dele deve argumentar que a saúde de seu cliente está fragilizada e que o ex-ditador não tem condições de cumprir pena.

O processo acontece em um momento em que outros ditadores, como o líbio Muammar Kadafi e o sírio Bachar Al-Assad, se recusam a deixar o poder. Além disso, os próprios egípcios voltaram às ruas para pedir a aceleração das reformas políticas e econômicas no país e a punição do antigo regime. O julgamento de Mubarak poderá passar a mensagem de que os tiranos africanos podem vir a ser condenados no futuro, segundo analistas.

Mubarak será o segundo ditador africano a passar por julgamento desde o início dos protestos na região. Em julho, o ex-presidente da Tunísia, Zine Ben Ali, foi condenado a 15 anos de prisão, mas vive exilado na Arábia Saudita.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.