China

Feira de negócios em Xinjiang começa com segurança reforçada

O vice-primeiro-ministro chinês, Li Keqiang (centro) participou da abertura da 1ª Expo China-Eurásia em Urumqi, capital da Região Autônoma Uigur de Xinjiang, no noroeste da China.
O vice-primeiro-ministro chinês, Li Keqiang (centro) participou da abertura da 1ª Expo China-Eurásia em Urumqi, capital da Região Autônoma Uigur de Xinjiang, no noroeste da China. REUTERS/China Daily
Texto por: RFI
2 min

O início da feira de negócios Expo-China Eurásia, na turbulenta região de Xinjiang, fez a China ampliar o alerta nos principais aeroportos do país do grau um para o grau dois. A medida vale desde o último domingo, e provocou filas, atrasos e até perdas de voos em cidades como a capital, Pequim, e o centro financeiro do país, Xangai.

Publicidade

Segundo o governo chinês, há indícios de que estariam sendo planejados ataques durante a feira. Xinjiang é a terra natal da minoria uigur, os chineses muçulmanos. Em 2009, violentos confrontos entre uigures e a maioria han provocaram a morte de cerca de 200 pessoas em Urumqi, que agora recebe a feira.

O evento, que começou nesta quinta-feira e vai até a próxima segunda-feira, reúne não só compradores e vendedores de diversos países da região, mas também autoridades, como o presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, e a presidente interina do Quirguistão, Roza Otunbayeva. O vice-premiê chinês, Li Keqiang, participou da abertura oficial.

A China quer que Urumqi se firme como um centro de negócios para os países vizinhos, que também incluem nações como o Afeganistão e o Tajiquistão.

Embora tenha ampliado a segurança nos aeroportos, o chefe do partido comunista local, Zhu Hailun, reportou apenas um incidente nos últimos dias, em que um homem teria entrado com uma faca em um vôo com destino a Pequim.

Neste ano, ocorreram dois incidentes com morte em Xinjiang. O primeiro em Hotan, quando quatro pessoas morreram num confronto na delegacia local. Depois, outros dois ataques em Kashgar deixaram 19 mortos.

Pequim liga esses incidentes ao movimento terrorista que defende a independência de Xinjiang e a fundação do Estado independente Turquistão do Leste, nome pelo qual muitos uigures se referem à província.
 

Janaína Camara da Silveira, correspondente da RFI em Pequim

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.