Acessar o conteúdo principal
Fukushima/acidente

Sistema de resfriamento de Fukushima defeituoso volta a funcionar, diz Tepco

Funcionários daTepco trabalham na limpeza dos dejetos da central de Fukushima/Daiichi
Funcionários daTepco trabalham na limpeza dos dejetos da central de Fukushima/Daiichi Reuters/Tokyo Electric Power Co
Texto por: RFI
3 min

A Tepco, empresa que administra a central de Fukushima, anunciou nesta terça-feira que o sistema de resfriamento das piscinas e de estocagem de combustível da usina, que havia parado de funcionar na véspera, voltou a funcionar. A situação, diz a companhia, está sob controle.

Publicidade

A queda de energia na central ocorreu por volta das 18h57 nesta segunda-feira por um motivo ainda desconhecido, segundo Kenichi Tanabe, porta-voz da Tepco, a Tokyo Eletric Power. Segundo ele, a falta de eletricidade gerou a paralisação do sistema de resfriamento de estocagem do combustível usado nos reatores 1,3 e 4.

Com o reestabelecimento parcial da energia, pouco a pouco o sistema voltou a funcionar, mas só na quarta-feira estará completamente operacional. “Nenhuma mudança importante dos níveis de radioatividade foi detectada pelos nosso instrumentos”, disse Tanabe, que excluiu a hipótese de uma nova crise como a que ocorreu depois do Tsunami.

O incidente não afetou a injeção de água nos reatores 1 a 3, que derreteram depois do acidente de 2011. O responsável executivo das instalações nucleares na Tepco, Masayuki Ono, explicou que a temperatura de uma das piscinas de estocagem do reator foi estimada em 30,5 graus às 10h da manhã. Segundo a Tepco, a temperatura sobe em média de 0,3 a 0,4 graus por hora com a interrupção do sistema.Segundo Akio Koyama, professor do serviço de segurança nuclear da universidade de Kyoto, a situação está sob controle. Só há risco caso as barras de combustível nuclear fiquem expostas ao ar livre.

O acidente de Fukuhisma é considerado como uma das piores tragédias nucleares desde a explosão de Tchernobyl, em 1986. O tsunami que atingiu a costa japonesa provocou um terromoto que gerou a paralisação dos sistemas de resfriamento. Uma grande quantidade de radiação vazou na atmosfera, em um raio de 220 quilômetros a nordeste de Tóquio.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.