Conflito intercoreano

Pyongyang retém sete funcionários sul-coreanos em Kaesong

Soldados sul-coreanos patrulham a região do complexo industrial de Kaesong, nesta segunda-feira.
Soldados sul-coreanos patrulham a região do complexo industrial de Kaesong, nesta segunda-feira. REUTERS/Lee Jae-Won

Os últimos funcionários sul-coreanos do pátio industrial intercoreano de Kaesong deveriam voltar para seu país nesta segunda-feira, mas o governo de Kim Jong-un reteve sete deles, exigindo controles de última hora sobre impostos e salários. Mas, de acordo com o governo sul-coreano, eles não correm perigo: "O Norte garantiu que garantiria a segurança das pessoas que seriam evacuadas, então acreditamos que não há risos. Mas, continuamos atentos até que eles estejam de volta", declarou um representante de Seul.

Publicidade

Um primeiro contingente de 126 pessoas, entre eles um chinês, atravessou a fronteira no sábado. Mas a autorização para sua saída foi dada pelo governo norte-coreano apenas meia hora antes do horário combinado para a evacuação. Na segunda-feira, a demora se repetiu.

Esta evacuação inédita gerou a ameaça de fechamento definitivo do complexo, que virou símbolo de uma diplomacia econômica sacrificada por tensões militares. Desde 2010, o pátio - que é uma importante fonte de divisas para o norte - permaneceu em funcionamento, com breves interrupções. No início do mês, Pyongyang retirou os 53 mil empregados norte-coreanos das 123 empresas do sul que operam em Kaesong e impediu o acesso dos funcionários sul-coreanos.

De acordo com Pyongyang, a responsabilidade pela crise é da Coreia do Sul, que teria adotado uma postura beligerante frente ao vizinho. O regime de Kim Jong-un ameaçou tomar "medidas decisivas e cruciais, caso eles (o sul) continuem tentando agravar a situação".

O ministro sul-coreano das Relações Exteriores, Yun Byung-Se garantiu nesta segunda-feira que a "janela para o diálogo permanece aberta", mas que a conversa precisa acontecer o quanto antes, já que Kaesong pode não resistir ao abandono prolongado das máquinas e à evasão de clientes.

"Uma vez que o complexo esteja morto, o norte voltará a dispor suas tropas e retornaremos à situação militarizada em que vivíamos antes da criação de Kaesong", com a artilharia direcionada para o vizinho, avalia Yang Moo-Jin, professor da Universidade de Estudos Coreanos de Seul.

Kaesong nasceu da chamada "Política do brilho do sol" de conciliação intercoreana iniciada no fim dos anos 90 pelo presidente sul-coreano Kim Dae-Jung, que levou a uma cúpula histórica com o antigo líder Kim Jong-Il, em 2000. Kaesong funciona como uma zona colaborativa de desenvolvimento econômico, que abriga companhias sul-coreanas, atraídas pela mão de obra barata e qualificada do vizinho.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.