OMS/Tuberculose

Apesar de queda, tuberculose ainda é ameaça para a saúde mundial, segundo OMS

Segundo a OMS, nenhuma vacina deve ser disponibilizada contra a tuberculose antes de 2025.
Segundo a OMS, nenhuma vacina deve ser disponibilizada contra a tuberculose antes de 2025. Aurélie Baumel/MSF

Segundo um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicado nesta quarta-feira, a tuberculose continua sendo a segunda doença infecciosa que provoca mais mortes no mundo, ficando apenas atrás da AIDS. Mesmo tendo diminuído pelo terceiro ano consecutivo, ela ainda é considerada como um "grande problema" para a saúde mundial.

Publicidade

Em 2003, 1,3 milhões de pessoas perderam a vida depois de terem sido infectadas pela bactéria Mycobacterium tuberculoses. O sudeste da Ásia é a zona do mundo com maior concentração de tuberculose, registrando 29% dos casos. Já o continente africano abriga 27% dos infectados, seguido pelas regiões do Pacifico oeste com 19%. Somente a Índia e a China, registraram respectivamente 26% e 12% dos doentes.

Cerca de 530 mil crianças de menos de 15 anos contraíram a doença e 74 mil foram mortas, de acordo com o documento. Ao todo 8,6 milhões de pessoas contraíram a doença no último ano, o equivalente a uma redução de 45% desde 1990. 

No entanto, os especialistas estimam que quase um terço dos casos não é sinalado. "Nós devemos ir de encontro a esses casos. São normalmente pessoas vulneráveis, deslocadas, migrantes", revelou Karin Wever, membro da OMS.

Outra preocupação da organização é a progressão da tuberculose multirresistente (TB-MR), uma forma da doença causada por um bacilo que resiste aos dois medicamentos mais utilizados no tratamento da doença, a isionazida e a rifampicina. No último ano, 94 mil pessoas foram diagnosticadas com esse tipo de tuberculose, duas vezes mais do que no último ano. Ainda de acordo com a OMS, nenhuma vacina deve ser disponibilizada contra a tuberculose antes de 2025.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.