Síria/Crise

Ataques aéreos fazem 300 mortos em oito dias em Aleppo

Fumaça sai da cidade velha de Aleppo, devido, segundo soldados do exército livre sírio, a bombas lançadas pelas forças de Assad neste sábado, 21 de dezembro de 2013.
Fumaça sai da cidade velha de Aleppo, devido, segundo soldados do exército livre sírio, a bombas lançadas pelas forças de Assad neste sábado, 21 de dezembro de 2013. REUTERS/Abdalrhman Ismail

De acordo com relatório do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), os bombardeios do exército sírio fizeram ao menos 300 mortos nos últimos oitos dias, em ataques aéreos sobre os setores rebeldes na cidade de Aleppo, no norte do país, e em sua província.

Publicidade

"Do 15 ao 22 de dezembro, 301 pessoas foram mortas, entre elas 87 crianças, 30 mulheres e 30 rebeldes", de acordo com o. A oposição síria e diversas organizações internacionais acusam o regime do presidente sírio Bashar al-Assad de lançar "barris explosivos" repletos de TNT sobre zonas rebeldes para que a população se volte contra os insurgentes.

Uma fonte de segurança afirmou nesta segunda-feira a agência de notícias France Press, que o exército recorre a ataques aéreos na região devido a falta de efetivo em solo. O grande número de vítimas entre a população síria seria devido a localização dessas posições em meio a zonas civis. Desde 2012, a cidade de Aleppo está divida entre zonas controladas pelo regime e pelos opositores.

Diversos bairros foram destruídos, de acordo com testemunhas e fontes médicas. No último sábado, a organização internacional Human Rights Watche evocou um "desastre" diante dos números de mais de 200 mortos entre 15 e 18 de dezembro, revelados por outro relatório.

Nesta segunda-feira, Assad declarou que seu país enfrenta uma ofensiva de grande envergadura "de muçulmanos extremistas". Na mesma data, a União Europeia aprovou a liberação de mais 30 milhões de euros, além dos 147 milhões liberados na última quarta-feira" para ajudar as vítimas da crise humanitária na Síria, provocada pelos últimos 33 meses de conflitos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.