Acessar o conteúdo principal
Malásia/Avião desaparecido

Satélite chinês vê supostos destroços do avião da Malaysia Airlines

Imagem de satélite difundida pela TV chinesa neste sábado (22) mostra um suposto destroço do voo MH370.
Imagem de satélite difundida pela TV chinesa neste sábado (22) mostra um suposto destroço do voo MH370. Reuters
Texto por: RFI
3 min

Duas semanas após o desaparecimento do voo MH370, a China revelou neste sábado (22) imagens de novos supostos destroços do avião flutuando no sul do Oceano Índico. Equipes de resgate já foram enviadas ao local para encontrar os objetos descobertos por um satélite chinês.

Publicidade

As imagens feitas pelo satélite no dia 18 de março foram divulgadas hoje (22) pelo departamento de Estado para a Ciência, Tecnologia e Indústria de Defesa chinês. Uma das fotografias, difundida pelo canal de televisão estatal chinês CCTV, mostra um objeto de 22 metros de comprimento por 13 metros de largura.

Equipes de resgate no local

O ministro dos Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein, indicou que navios serão enviados ao local para encontrar o objeto detectado pelo satélite chinês. O suposto destroço do Boeing 777 da Malaysia Airlines foi fotografado no sul do Oceano Índico, a 120 quilômetros do local onde um satélite australiano havia detectado no dia 16 de março outros possíveis detritos do avião desaparecido.

Após a descoberta australiana, navios e aviões foram enviados à região, que fica a 2,5 mil km da cidade de Perth, para vasculhar uma área de 26 mil quilômetros quadrados e recuperar os destroços. Essas buscas não deram ainda nenhum resultado. Para evitar novas decepções, as autoridades australianas e malaias anteciparam que os objetos fotografados podem não pertencer ao MH370 e sim a um contêiner.

Dois aviões chineses devem chegar neste domingo (23) ao local para ajudar nas buscas. Aviões japoneses também participarão da operação a partir da segunda-feira.

Avião desaparecido há duas semanas

O Boeing 777 da Malaysia Airlines que fazia a rota Kuala Lumpur-Pequim desapareceu no dia 8 de março com 239 pessoas a bordo. Segundo as autoridades da Malásia, os sistemas de comunicação da aeronave foram desligados intencionalmente e o avião foi desviado de sua rota.

Dois corredores foram delimitados para orientar as buscas. O primeiro, ao norte, vai da Tailândia até a Ásia Central. O segundo, ao sul, vai da Indonésia ao sul do Oceano Índico. A maioria dos especialistas privilegia o corredor sul, avaliando que o Boeing não poderia sobrevoar países como a China ou ex-repúblicas soviéticas sem ser detectado por radares.

Revolta dos familiares

Os familiares dos 153 passageiros chineses do voo MH370 voltaram a expressar sua revolta neste sábado durante encontro com autoridades da Malásia, em Pequim. A polícia teve que intervir para evitar confrontos.

Eles acusam o governo malaio de mentir e se recusam a acreditar que os passageiros morreram em um acidente.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.