Rússia/Ucrânia

Cúpula extraordinária da UE discute novas sanções contra Rússia

O presidente ucraniano Petro Poroshenko chega a Bruxelas para a reunião de cúpula sobre a Ucrânia que acontece neste sábado
O presidente ucraniano Petro Poroshenko chega a Bruxelas para a reunião de cúpula sobre a Ucrânia que acontece neste sábado (Foto: Reuters)

Os representantes dos 28 países da UE se reúnem neste sábado (30) em Bruxelas na tentativa de achar uma solução para a escalada da violência na Ucrânia. Os russos poderão ser alvo de novas sanções, ressalta o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso. A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, também pediu que a Rússia coloque um fim “às recentes agressões” contra a Ucrânia.

Publicidade

A União Europeia poderá adotar sanções graves contra a Rússia, depois da entrada de tropas russas na Ucrânia. "A Rússia não deve subestimar a vontade e a determinação da União Europeia na defesa de seus princípios e valores", disse Barroso. "Estamos prontos para tomar medidas duras, mas as portas continuam abertas para uma solução política", declarou o presidente da comissão durante uma coletiva em Bruxelas, depois de um encontro com o presidente ucraniano, Petro Porochenko.

"Hoje falamos do futuro da Ucrânia, mas amanhã pode ser o da segurança e estabilidade na Europa'', estimou o chefe de estado ucraniano. "Vivemos uma situação dramática e caminhamos para uma situação irreversível se a escalada da violência continuar", disse o presidente da Comissão Europeia.

Segundo ele, o endurecimento das sanções não visa agravar a crise, mas incitar Moscou à negociação. Barroso negou que a União Europeia esteja buscando a "confrontação", e seria "absurdo" ter uma nova Guerra Fria, "que afetaria o conjunto da Europa". A Ucrânia afirmou neste sábado que milhares de soldados russos penetraram em seu território, onde Moscou continua ajudando os separatistas nos combates no leste do país.

"Pedimos à Rússia que coloque fim à violência e ao envio de armas e soldados na área do conflito e retire suas forças da Ucrânia", também reagiu a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, em Milão, ao lado da ministra italiana Federica Mogherini. As sanções não surtirão efeito imediatamente. Na manhã de hoje, o premiê finlandês Alexander Stubb, disse que, mesmo que as medidas sejam votadas hoje, elas não serão adotadas durante o dia.

Presidente francês liga para Putin

O presidente francês, François Hollande, conversou pelo telefone nesta sexta-feira com Vladimir Putin, e pediu que ele demonstrasse "vontade em colocar um fim na situação na Ucrânia." Segundo o chefe de estado francês, "não há tempo a perder. Há, incontestavelmente, uma agravação da situação", disse.

Paralelamente, a Comissão Europeia também está a disposta a sediar uma conferência de doadores no final do ano para financiar a reconstrução das regiões no leste da Ucrânia, as mais afetadas pelo conflito, declarou o presidente da Comissão Europeia.

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.