Acessar o conteúdo principal
Ucrânia/rebeldes

Governo ucraniano e separatistas pró-Rússia fazem troca de prisioneiros

Ônibus com rebeldes prestes a serem trocados por soldados do exército ucraniano.
Ônibus com rebeldes prestes a serem trocados por soldados do exército ucraniano. REUTERS/Igor Tkachenko
2 min

Kiev e os separatistas do leste da Ucrânia realizaram nesta sexta-feira (26) centenas de trocas de prisioneiros, anunciou um porta-voz do presidente ucraniano, Petro Porochenko. O intercâmbio prevê a libertação de 150 soldados ucranianos contra 222 rebeldes.

Publicidade

O acordo foi feito na quarta-feira (24), durante discussões de paz entre representantes da Ucrânia, Rússia, separatistas e da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), em Minsk. “O chefe da segurança ucraniana informou o presidente sobre a libertação de 146 ucranianos; quatro outros prisioneiros devem ser soltos no sábado e poderão festejar o Ano Novo com suas famílias”, informou o porta-voz através do Facebook.

A troca de prisioneiros é um dos 12 pontos do chamado protocolo de Minsk, negociado em setembro entre Kiev, rebeldes, Rússia e a OSCE. O dispositivo permitiu a instauração de um cessar-fogo que, no entanto, vem sendo violado regularmente.

Não se sabe o número exato de prisioneiros dos dois lados que foram feitos desde a rebelião separatista no leste da Ucrânia, em abril. Os conflitos já fizeram mais de 4.700 mortos, segundo as Nações Unidas. Segundo o exército oficial, 600 soldados ucranianos estão em mãos dos rebeldes.

Frágil cessar-fogo

Cerca de 1.300 pessoas foram mortas desde a proclamação do cessar-fogo em 5 de setembro, de acordo com o ONU. Mas os combates diminuíram consideravelmente após um novo compromisso entre as duas partes feito no dia 9 de dezembro. Mas nesta sexta-feira, o exército indicou que os rebeldes intensificaram as operações e que um soldado ucraniano foi encontrado morto.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.