Grupo Estado Islâmico

Grupo Estado Islâmico quer vender cadáveres de soldados curdos, afirma imprensa alemã

Um jihadista do grupo Estado Islâmico com uma bandeira do grupo na Síria.
Um jihadista do grupo Estado Islâmico com uma bandeira do grupo na Síria. REUTERS/Stringer

Em busca de novas fontes de renda, o grupo Estado Islâmico estaria disposto a vender às forças curdas os corpos dos soldados mortos durante os combates. A informação foi divulgada pelo jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), que chega às bancas neste domingo (22). A hipótese de tráfico de órgãos dos combatentes também chegou a ser cogitada.

Publicidade

De acordo com o jornal alemão, que cita “fontes de segurança”, o grupo Estado Islâmico estaria tentado vender os corpos dos soldados mortos durante os combates. As forças curdas teriam que pagar “entre US$ 10 mil e 20 mil” para receber de volta os cadáveres de seus combatentes.

O Frankfurter Allgemeine Zeitung explica em sua edição deste domingo que o grupo extremista, que atua no norte do Iraque e na Síria, teve parte de suas infraestruturas atingidas pelos ataques da coalizão internacional que apoia os soldados curdos. Os estragos estariam dificultando as atividades de contrabando de petróleo e de antiguidades saqueadas pelo grupo jihadista, que perdeu parte de sua renda e estaria tentado encontrar novas formas de financiar suas atividades, explica do FAZ.

Tráfico de órgãos

O embaixador o Iraque nas Nações Unidas chegou a denunciar esta semana um possível tráfico de partes do corpo praticado pelo grupo Estado Islâmico. O diplomata Mohammed Ali al Hakim disse que a falta de alguns órgãos teria sido constatada em cadáveres de soldados mortos durante os combates. O representante de Bagdá também disse que os jihadistas estariam matando médicos que se recusassem a cooperar na retirada de órgãos.

No entanto, de acordo com o jornal alemão, é “inverossímil” que os grupo Estado Islâmico seja capazes de realizar esse tipo de tráfico. O veículo explica que a organização não teria infraestruturas ou competências médicas, técnicas e logísticas para isso.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.