Acessar o conteúdo principal
Indonésio/Justiça

Justiça da Indonésia mantém condenação à morte para dois australianos

O juiz, Ujang Abdullah, rejeitou o recurso de dois australianos condenados à pena de morte por tráfico de drogas.
O juiz, Ujang Abdullah, rejeitou o recurso de dois australianos condenados à pena de morte por tráfico de drogas. REUTERS/Darren Whiteside
Texto por: RFI
2 min

A Justiça da Indonésia rejeitou nesta segunda-feira (6) o recurso de dois australianos condenados à pena de morte por tráfico de drogas. Com essa decisão, a execução da pena capital deve ser anunciada nos próximos dias. 

Publicidade

Em fevereiro passado, Andrew Chan e Myuran Sukumaran condenados à morte por tráfico de heroína em 2006, apelaram da decisão. Mas a defesa afirma que tentaria uma última estratégia e levaria o caso para a Corte Constitucional do país. O presidente indonésio, Joko Widodo, também já rejeitou um pedido de clemência anteriormente.

Outros dez condenados à morte, na maioria estrangeiros, estão no corredor da morte, incluindo o brasileiro Rodrigo Gularte. O procurador-geral da Indonésia afirmou que todos desse grupo, que inclui cidadãos das Filipinas, de Gana, da Nigéria e da própria Indonésia, deveriam passar pelo pelotão de fuzilamento juntos.

Desde a sua chegada ao poder em outubro do ano passado, o presidente Widodo prometeu que seria implacável no combate ao tráfico de drogas. Apesar de diversos apelos de ONGs de defesa de direitos humanos e de chefes de Estado, inclusive da presidente Dilma Rousseff, ele manteve todas as sentenças de morte.

Brasileiro alega problema psiquiátrico para evitar condenação à morte

Rodrigo Gularte foi condenado à execução em 2005 por ingressar na Indonésia com seis quilos de cocaína escondidos em pranchas de surfe. A família e a defesa do brasileiro argumentam que ele sofre de esquizofrenia e pedem que ele seja transferido para um hospital psiquiátrico. Gularte se submeteu a um  exame psiquiátrico na última terça-feira. O laudo ainda não foi informado.

O outro brasileiro condenado à pena capital por tráfico de drogas, Marco Archer, foi executado em janeiro deste ano. O ex-instrutor de asa delta havia sido preso em 2004 ao tentar entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína escondidos em material esportivo.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.