Acessar o conteúdo principal
NSA

WikiLeaks: EUA espionaram Chirac, Sarkozy e Hollande

Capa do jornal francês "Libération" denunciado as escutas telefônicas da agência americana NSA.
Capa do jornal francês "Libération" denunciado as escutas telefônicas da agência americana NSA.
Texto por: RFI
3 min

Documentos obtidos pelo WikiLeaks e publicados na noite desta terça-feira (23) no site do jornal francês Libération e no site de informações Mediapart, revelam que a NSA - a agência da inteligência americana - espionou os três últimos presidentes franceses, entre 2006 e 2012.

Publicidade

A revelação é feita através de uma seleção de documentos publicados por Libération e Mediapart, em colaboração com o site WikiLeaks: na França, três presidentes e alguns de seus colaboradores foram espionados entre 2006 e maio de 2012, período que abrange o segundo mandato de Jacques Chirac, passa por Nicolas Sarkozy e vai até a chegada de François Hollande no palácio do Eliseu.

Libération informa que os documentos obtidos pelo WikiLeaks foram reunidos com o nome de "Espionagem Eliseu". São cinco relatórios de análise vindos da NSA, com o subtítulo "Fatos Marcantes": fatos que foram extraídos de informações de origem eletromagnética, ou seja, de comunicações interceptadas. Todo o material é classificado "Top Secret", diz o jornal francês, e destinado a altos responsáveis da NSA e dos serviços secretos americanos.

Revelações

Libération dá diversos exemplos de revelações oriundas das escutas, entre os quais, as articulações de Chirac, em 2006, para tentar emplacar seu candidato ao posto de sub-secretário-geral adjunto da ONU. As interceptações também mostram como Nicolas Sarkoy, em 2008, se via como " o único homem capaz de resolver a crise financeira". Reuniões secretas para discutir uma possível saída da Grécia da zona do euro ou a suspeita de dois diplomatas franceses em Washington de que os Estados Unidos "queriam espionar a França" também vêm à tona nas informações.

Libération explica que o conteúdo das anotações sobre as escutas, apesar de classificado como altamente confidencial, não divulga nenhum segredo de Estado. Números de telefones fixos e celulares são identificados como "selecionadores", ou seja, uma base de informações na qual a agência identificava alvos que pudessem ser explorados mais profundamente.

Lista secreta

O site do Libération publica a foto da lista datada de 2010, em que se pode identificar o número do celular de Sarkozy, conselheiros, ministros, ministérios e até mesmo do serviço responsável pela segurança das telecomunicações do Palácio do Eliseu.

A reportagem indaga se essas práticas continuaram depois da data dos últimos documentos publicados. A assessoria de François Hollande, questionada por Libération e Mediapart, comunicou que quando o presidente francês esteve em Washington, em fevereiro de 2014, Barack Obama se comprometeu a não praticar mais escutas de espionagem.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.