China / Acidente

Desrespeito às regras de segurança provocou deslizamento de terra na China

Deslizamento de terra em Shenzhen
Deslizamento de terra em Shenzhen REUTERS/Stringer

O deslizamento de terra que devastou uma área industrial da cidade chinesa de Shenzhen e que deixou dois mortos e mais de 70 desaparecidos, não foi uma catástrofe natural. Segundo um comunicado divulgado na noite de sexta-feira (25) pelas autoridades, trata-se de um acidente provocado pelo desrespeito às regras de segurança.

Publicidade

Uma investigação revelou que a tragédia aconteceu pelo acúmulo de entulhos vindos dos canteiros de obra de um ferro velho vizinho. O governo chinês disse que os responsáveis serão severamente punidos.

Desde o acidente, no domingo (20), a revolta crescia entre a população diante da fragilidade dos padrões de segurança e da debilidade das medidas tomadas. "A falta de supervisão em temas de segurança e a atitude passiva na hora de tomar medidas provocou uma onda de indignação no país e comoveu o mundo", escreveu nas redes sociais um usuário identificado como Xizidan.

Embora a publicação tenha sido apagada pelas autoridades, estava disponível na plataforma que rompe a censura Weiboscope. O vice-prefeito da cidade, Liu Qinsheng, calcula que a zona recoberta pela massa de terra, de 10 metros de altura, corresponde a uma superfície de cerca de 60 campos de futebol.

Sobrevivente

Na última quarta-feira (23), as equipes de resgate encontraram um jovem vivo em meio aos escombros, mais de 70 horas após o deslizamento que soterrou 30 edifício. "Ele teve uma vontade muito grande de sobreviver", declarou o líder das equipes de emergência ao jornal governamental Shenzhen Special Zone Daily.

O homem de 19 anos utilizou uma pedra para bater nos escombros e tentar chamar a atenção das pessoas que procuravam por sobreviventes em meio à lama. Imagens do local mostravam dezenas de bombeiros e policiais ao redor de uma maca, aparentemente ao lado do jovem à espera da ambulância.

Ele foi confirmado com uma das 76 pessoas listadas como oficialmente desaparecidas após o desastre, informou o departamento do corpo de bombeiros da província de Guangdong em seu microblog oficial.

Um segundo homem que também foi encontrado vivo nos escombros na quarta-feira morreu horas mais tarde, segundo os bombeiros. Outro corpo foi recuperado durante a tarde, informou o China Youth Daily, elevando o número de mortes confirmadas a três.

O número de mortes deve subir drasticamente após o fim do chamado "período de ouro" - a janela de 72 horas na qual a chance de encontrar sobreviventes é mais alta.

Este é o último de uma série de acidentes fatais no país e ocorre dois meses após uma explosão gigante em uma usina química de Tianjin deixar mais de 150 mortos.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.