Guerra

Após seis dias de combate, Iraque expulsa grupo EI do governo de Ramadi

Soldados iraquianos tomando o centro da cidade de Ramadi.
Soldados iraquianos tomando o centro da cidade de Ramadi. REUTERS/Stringer

Todos os combatentes do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) deixaram neste domingo (27) um complexo governamental estratégico da cidade de Ramadi, que as forças iraquianas tentavam recuperar desde a última terça-feira. Os últimos jihadistas resistentes se refugiavam na sede do governo provincial, agora libertada.

Publicidade

A cidade havia sido tomada pelos extremistas em maio, após meses de ataques. A contra-ofensiva desta semana termina com um relativo sucesso: segundo o ministro da Defesa, Khaled al-Obeidi, as forças iraquianas recuperaram a metade do território perdido no ano passado. "Todos os combatentes do Daesh (acrônimo em árabe do EI) partiram. Não há resistência", declarou à agência AFP o porta-voz das elites antiterroristas, Sabah al-Numan, informando que a região ainda precisa ser limpa das minas e armadilhas explosivas instaladas por militantes do EI antes de sua fuga.

"Nossas forças cercam o complexo governamental; estão controlando todas as entradas e os edifícios adjacentes antes de entrar", explicou Numan. Mais cedo, as forças iraquianas informaram estar avançando na cidade e estar fechando o cerco aos combatentes do EI, que estavam em menor número, mas se beneficiavam das centenas de armadilhas e artefatos explosivos espalhados pela cidade, combinados com suicidas e franco-atiradores.

Ramadi está situada 100 quilômetros a oeste de Bagdá e é a capital de Anbar, a maior província do Iraque, dividindo fronteira com Síria, Jordânia e Arábia Saudita. Uma vitória nesta cidade pode permitir lavar a imagem do exército iraquiano, que recebeu muitas críticas depois de perder amplas faixas de território para os jihadistas em junho de 2014.

Batalha árdua

As batalhas pelo edifício governamental mataram nas últimas horas vários combatentes jihadistas e integrantes das forças iraquianas. No início da ofensiva, na última terça-feira, o avanço ao centro de Ramadi encontrou pouca resistência, mas os combatentes do EI estabeleceram fortes defesas ao redor do complexo governamental.

Também espalharam explosivos pela cidade inteira - estradas, posições abandonadas, casas - o que exigiu a mobilização de especialistas em segurança e atrasou o avanço das tropas. Um oficial do exército informou que, apenas no fim de semana, os especialistas desativaram 260 explosivos no front norte de Ramadi.

Os militares também viram restrita sua capacidade de ataque devido à presença de civis bloqueados nas zonas de combate, muitos deles utilizados como escudos humanos pelos combatentes do EI. Os civis que conseguiram escapar explicaram que havia pouca comida para os que ainda estavam presos na cidade.

(Informações da AFP)
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.