Acessar o conteúdo principal
Coreia do Norte/bomba H

A Coreia do Norte vai dominar a tecnologia de fusão nuclear?

O líder norte-coreao  Kim Jong Un quer impressionar os membros do partido no congresso em maio
O líder norte-coreao Kim Jong Un quer impressionar os membros do partido no congresso em maio Reuters/路透社
Texto por: RFI
3 min

A capacidade balística do país ainda seria insuficiente para obter a bomba de hidrogênio, mas tecnologicamente a Coreia do Norte já é capaz de produzir armas utilizando a fusão nuclear. Esta é a opinião de vários especialistas depois do teste anunciado pelo país nesta quarta-feira (6).

Publicidade

Até agora, o país utilizava a fissão nuclear em seu programa, um processo menos sofisticado mas que também gera energia radioativa. A tecnologia foi utilizada na fabricação das bombas que explodiram na Segunda Guerra Mundial. Já a bomba de hidrogênio exige a fusão – um método que é estudado desde os anos 30, e que pode ter uso militar e científico.

Para Toshimitsu Shigemura, professor da Universidade de Waseda, em Tóquio, e especialista em Coreia do Norte, o objetivo do país foi justamente mostrar ao mundo que agora é capaz de construir uma bomba baseada na fusão.

"Este teste com a bomba H serve, na realidade, para Kim Jong Un mostrar no congresso do partido, em maio, algo que seu avô e seu pai, Kim Il-Sung e Kim Jong-Il, não conseguiram levar adiante", disse. A área já pode ser observada por satélites internacionais. Para o pesquisador, o momento é ideal para o líder norte-coreano, já que a comunidade internacional está envolvida em outros assuntos, como a Síria, ou a crise entre a Arábia Saudita e o Irã.

Teste aconteceu perto da fronteira russa e chinesa

O teste aconteceu nas instalações nucleares de Punggye-ri, em uma região isolada e montanhosa do nordeste do país, a 100 km da fronteira com a China e a 200 km da fronteira russa. Nesta quarta-feira, o Conselho de Segurança da ONU se reúne para decidir se adotará ou não novas sanções contra o país. O secretário-geral Ban Ki Moon exigiu antes do início da reunião que a Coreia do Norte "ponha um fim a suas atividades nucleares".

Obstáculos técnicos persistem

De acordo com o especialista australiano em política nuclear Crispin Rovere, a Coreia do Norte ainda não pode ser considerada uma potência nuclear, apesar dos avanços tecnológicos. “O país ainda não demonstrou sua capacidade de equipar um míssil balístico com uma carga nuclear”, diz. Segundo ele, também há dúvidas de que a explosão de hoje seja compatível com a de uma bomba H.

(Com informações da AFP)
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.