Atentados/prisões

Suspeito-chave dos atentados de Paris é detido em Bruxelas

Foto de Mohamed Abrini divulgada pela Interpol.
Foto de Mohamed Abrini divulgada pela Interpol. REUTERS/Interpol

Mohamed Abrini, suspeito-chave dos atentados de Paris e procurado pela polícia, foi detido nesta sexta-feira (8), em Bruxelas, anunciou a procuradoria federal belga. A polícia também várias prisões ligadas às investigações dos atentados em Bruxelas, em 22 de março.

Publicidade

As autoridades belgas tentam confirmar se Abrini, 31 anos, é "homem do chapéu", que fracassou em detonar a terceira bomba no aeroporto internacional da cidade junto com os dois outros suicidas, Ibrahim El Bakraoui e Najim Laachraoui. Em entrevista coletiva, a procuradoria belga confirmou a prisão de mais quatro suspeitos.

Segundo a imprensa belga, ele foi preso em Anderlecht, em Bruxelas. Na quinta-feira (7), a procuradoria federal belga difundiu novas imagens e lançou um apelo a testemunhas para localizar o "homem do chapéu". Nos vídeos, o suspeito aparece nas imagens das câmeras de segurança fugindo do aeroporto da capital belga quando as outras bombas já havia sido detonadas.

Ele atravessou a localidade de Zaventem, onde se encontra o aeroporto, e continuou a pé até Bruxelas, deixando pelo caminho seu casaco de cor clara. É possível vê-lo falando ao celular enquanto foge, sem correr.

Rastro do "homen do chapéu" foi perdido duas horas depois do ataque

A polícia belga também procura um homem que falou com Khalid El Bakraoui, o suicida do metrô de Bruxelas, pouco antes do ataque kamikaze. Mas nada indica, por enquanto, que estaria envolvido com os membros do comando de Bruxelas.

Os investigadores determinaram que o belga-marroquino Mohamed Abrini acompanhou Salah Abdeslam e seu irmão Brahim - que cometeu um dos ataques suicidas nas ruas de Paris - em 10 e 11 de novembro em duas viagens entre Bruxelas e Paris.

Nessas duas viagens, alugaram os esconderijos que serviram aos extremistas de 13 de novembro.

Em 12 de novembro, um dia antes dos ataques mais mortais em território francês, foi filmado em um posto de gasolina entre Paris e Bruxelas junto a Salah Abdeslam, que acabou sendo detido em 18 de março, na Bélgica, depois de quatro meses de fuga.

Suspeito tem histórico de roubo, posse de drogas e passagem pela Síria

Abrini cresceu no bairro belga de Molenbeek, assim como Salah Abdeslam, que se acredita ser o único sobrevivente dos comandos que atacaram Paris.

Os antecedentes criminais de Abrini incluem roubo e posse de drogas. Os investigadores suspeitam que ele esteve na Síria. Seu irmão, Suleyman, de 20 anos, se juntou ao grupo Estado Islâmico (EI) em janeiro de 2014.

Ele combateu na mesma unidade que Abdelamid Abaaoud, suposto mentor dos ataques de Paris, que morreu poucos dias depois dos ataques em uma operação policial na região de Paris. Suleyman morreu oito meses depois de chegar na Síria.

Abrini também esteve, em meados de julho de 2015, na Grã-Bretanha, em Birmingham, reduto dos extremistas britânicos. As autoridades perderam seu rastro no Marrocos, até o dia que antecedeu os ataques de 13 de novembro.

Os ataques em Paris, que deixaram 130 mortos, e em Bruxelas, onde 32 pessoas morreram, foram reivindicados pelo grupo Estado islâmico. A capital belga foi usada como base pelos extremistas para organizar os ataques em Paris. Além disso, os suspeitos de Bruxelas estão ligados aos autores dos ataques de Paris.

As autoridades belgas já realizaram mais de uma centena de operações desde 13 de novembro. Nelas, encontraram vestígios de DNA e impressões digitais de vários dos principais suspeitos dos ataques em Paris.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.