Forte terremoto danifica o mais famoso sítio arqueológico de Mianmar

A cidade de Bagan, um dos sítios arqueológicos mais importantes de Mianmar.
A cidade de Bagan, um dos sítios arqueológicos mais importantes de Mianmar. Getty Images
Texto por: RFI
3 min

 Um terremoto de magnitude 6,8 graus na escala Richter atingiu nesta quarta-feira (24) o centro de Mianmar danificando muitos dos célebres pagodes de Bagan, principal destino turístico no país. A polícia local confirmou a morte de pelo menos uma pessoa.

Publicidade

Aung Kyaw, responsável pelo sítio arqueológico de Bagan, informou que houve danos em "sessenta pagodes" do mais famoso sítio arqueológico de Mianmar. O fenômeno ocorreu no fim do dia, momento em que muitos turistas visitam o local para assistir o pôr-do-sol sobre os milhares de pagodes.

De acordo com o Instituto Americano de Geologia (USGS), o epicentro do tremor foi localizado na região de Magway, em Chauk, uma cidade no centro do país, situada a trinta quilômetros de Bagan. "Um homem de 22 anos morreu quando uma casa desabou na região de Magway, na cidade de Pakokku”, declarou à agência AFP um membro do parlamento regional.

O hipocentro do terremoto foi localizado a 84 km de profundidade. O fenômeno balançou edifícios em Rangoon, a capital comercial de Mianmar, e foi sentido até Bangcoc, capital da Tailândia, além de Calcutá, na Índia, e em Bangladesh.

Vítimas e vulnerabilidade

O Instituto Americano de Geologia estimou que o impacto do terremoto deve ser "relativamente concentrado" no país, mas advertiu contra a "grande vulnerabilidade" de muitos edifícios na área. Bagan, com seus milhares de pagodes budistas, construída entre o décimo e décimo quarto século, é particularmente vulnerável.
Mianmar deseja classificar o local como Patrimônio Mundial da Unesco, apesar das reformas controversas que poderiam ter desvirtuado o sítio arqueológico.

Além dos pagodes históricos, os edifícios modernos no país não são construídos em conformidade com as normas antissísmicas. Mianmar sofreu durante décadas com uma ditadura militar, regime que deixou o país em ruínas, incluindo sua infraestrutura.

Desde 2011 e a auto-dissolução da junta militar, Mianmar vem se reconstruindo. Nos últimos meses, o governo é liderado por Aung San Suu Kyi, Prêmio Nobel da Paz, cujo partido ganhou com folga as eleições no final de 2015.

Em abril deste ano, um terremoto de magnitude 6,9 graus na escala Richter abalou o país, sem causar mortes.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.