Países ocidentais se unem e pedem cessar-fogo em Aleppo

Foto de uma rua residencial de Aleppo, totalmente destruída pelos bombardeios das forças sírias
Foto de uma rua residencial de Aleppo, totalmente destruída pelos bombardeios das forças sírias REUTERS/Abdalrhman Ismail
3 min

Seis países, entre eles, Estados Unidos e França, pediram nesta quarta-feira (7) um cessar-fogo imediato diante da catástrofe humanitária em Aleppo. As potências também fizeram um apelo à Rússia e ao Irã para que usem sua influência junto ao regime sírio para obter uma trégua.  

Publicidade

Em uma declaração conjunta publicada pelas presidências da França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Canadá e Estados Unidos, os países afirmam que a "urgência absoluta é um cessar-fogo imediato para permitir às Nações Unidas a entrega da ajuda humanitária às populações do leste de Aleppo, e socorrer as pessoas que fugiram".

"Condenamos as ações do regime sírio e de seus aliados estrangeiros, principalmente a Rússia, por obstruirem a ajuda humanitária; condenamos severamente os ataques do regime sírio que devastaram instalações médicas e civis, assim como a utilização de barris explosivos e armas químicas", diz o comunicado, que se une à demanda dos rebeldes sírios de um cessar-fogo imediato de cinco dias para a retirada dos civis, expulsos da Cidade Antiga pelo regime.

Os signatários também exigem que a Síria respeite o direito internacional humanitário, inclusive as Convenções de Genebra, e pedem às Nações Unidas que investiguem os fatos. O comunicado termina com uma frase que já foi repetida dezenas de vezes desde o começo do conflito, em 2011: "Somente uma solução política pode trazer a paz para as pessoas na Síria".

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, também reiterou seu apelo ao cessar-fogo, julgando "desoladora" a situação da população civil de Aleppo. "Não paro de pedir às autoridades sírias, aos grupos armados sírios, e também à coalizão, para manterem suas promessas, de modo que possamos cumprir nossa missão humanitária", afirmou Ban.

A declaração comum desta quarta-feira indica que, em Aleppo, 200.000 civis, entre eles, um grande número de crianças, estão sem alimentos e remédios.

Reconquista e pedido de cessar-fogo

As forças do governo sírio assumiram o controle de toda a Cidade Antiga de Aleppo, seu coração histórico, após a retirada dos rebeldes, cada vez mais asfixiados em seu antigo reduto.

Este avanço acelera o êxodo da população: 80.000 pessoas fugiram da zona leste de Aleppo desde o início da ofensiva do regime, em 15 de novembro, informou hoje a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.