Mundo

Sem fogos de artifícios, chineses celebram o ano do cachorro

As ruas de Pequim foram decoradas para a chegada do Ano Novo chinês.
As ruas de Pequim foram decoradas para a chegada do Ano Novo chinês. REUTERS/Stringer

Os próximos meses não serão um mar de rosas para os líderes do planeta, essa é a previsão dos mestres do feng shui de Hong Kong sobre o “Ano do Cão” no calendário lunar chinês, que começa na noite desta quinta-feira (15).O calendário lunar chinês se desenvolve em um ciclo de doze anos. Cada um deles é atribuído a um animal; o cão sucede o galo e precede o porco.

Publicidade

Com Heike Schmidt, correspondente da RFI na China

Para este ano do cão, os especialistas no assunto preveem muitos conflitos políticos e mais tensões entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.

Apesar das previsões pessimistas para a política mundial, os chineses vão comemorar nesta quinta-feira à noite o início do Ano Novo, o "Chunjie" ou o "Festival da Primavera", em meio a um grande frenesi consumista.

Em 2017, os chineses gastaram quase R$ 500 bilhões na maior festa culinária do ano. O Ministério do Comércio do país estima que esse valor será largamente superado neste ano.

Em um mercado de Pequim, a correspondente da RFI, Heike Schmidt, ouve o clamor de um vendedor que se encontra sob luzes vermelhas e guirlandas de ouro: "Venha, venha! Compre minhas últimas laranjas porque vou para minha cidade para celebrar o Ano Novo ".

Liang Zi, um dos clientes, detalha suas compras: "Já tenho camarão, carnes, nozes. Vou dar presentes a amigos e as crianças receberão um envelope com dinheiro. Vou gastar cerca de R$ 3 mil", diz ele.

Festa sem show pirotécnico

A única despesa que esse cidadão chinês não inclui é a de fogos de artifício para afugentar espíritos malignos. O uso de pólvora foi banido em 444 locais.

Este ano, os ruídos ensurdecedores dos foguetes não serão ouvidos, nem será necessário lidar com a fumaça cinza no dia seguinte, apesar do fato de a China ter inventado os espetáculos pirotécnicos. O "Chunjie" deste ano será ficará em silêncio.

Para alguns, será mesmo silencioso. "As crianças me pedem foguetes, mas não consigo encontrá-los", lamenta uma mãe. "Será uma festa sem alma. Quando eu era uma garota, eu sempre esperava pelos fogos de artifício do Ano Novo".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.