Acessar o conteúdo principal
Aviação

Caixas-pretas de avião da Ethiopian confirmam semelhanças com acidente da Lion Air

Cerimônia durante funeral coletivo das vítimas da catástrofe foi realizada na capital da Etiópia
Cerimônia durante funeral coletivo das vítimas da catástrofe foi realizada na capital da Etiópia REUTERS/Tiksa Negeri
Texto por: RFI
2 min

Os dados das caixas-pretas do Boeing 737 MAX 8, que caiu em 10 de março a leste de Adis-Abeba, matando 157 pessoas, mostram "semelhanças claras" com a queda, em outubro, de um avião do mesmo modelo pertencente à companhia Lion Air. O anúncio foi feito neste domingo (17) pela ministra etíope dos Transportes.

Publicidade

"Durante a análise da caixa que registra os dados do voo (FDR-Flight data recorder), foram observadas semelhanças claras entre o voo 302 da Ethiopian Airlines e o voo 610 da Lion Air", afirmou a ministra Dagmawit Moges em coletiva de imprensa. Ela não enumerou as semelhanças entre os acidentes, mas informou que o relatório preliminar sobre as causas do acidente na Etiópia será publicado em 30 dias. As caixas-pretas estão sendo analizadas em Paris pela Agência de Investigação e Análise para a Segurança da Aviação Civil Francesa (BEA).  

O avião da Lion Air caiu em outubro, no litoral da Indonésia, com 189 ocupantes, que não sobreviveram. O acidente com o voo 302 da Ethiopian Airlines deixou 157 mortos, de 35 nacionalidades. Esse foi o segundo acidente com o mesmo modelo de avião em cinco meses.

Especialistas afirmam que, apesar dos dois acidentes terem acontecido em pouco espaço de tempo, ainda é cedo para tirar conclusões sobre possíveis falhas técnicas do fabricante. Por medida de segurança, a maioria dos países que operam com esse modelo da fabricante americana suspenderam o uso de seus aviões até obterem esclarecimentos sobre o acidente.

As entregas do 737 MAX 8 pela Boeing estão suspensas. Pelo menos 370 aeronaves dessa família voavam pelo mundo.

Uma semana após a tragédia, centenas de pessoas participaram neste domingo (17) de uma homenagem póstuma a 17 vítimas etíopes da catástrofe aérea. Os caixões de oito tripulantes e de nove passageiros do Boeing 737-800 MAX estavam cobertos com a bandeira etíope, na cerimônia realizada na catedral da Santíssima Trindade da capital Addis Abeba. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.