Acessar o conteúdo principal
Hong Kong/ China

Hong Kong é alvo de protestos e repressão policial sem precedentes

As forças de ordem em ação em Hong Kong, 12 de junho de 2019.
As forças de ordem em ação em Hong Kong, 12 de junho de 2019. REUTERS/Athit Perawongmetha
Texto por: RFI
4 min

Hong Kong foi abalada nesta quarta-feira (12) pela pior agitação política desde sua transferência para a China, em 1997. A polícia disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar os manifestantes que tentaram invadir o parlamento e bloquear as estradas no centro financeiro.

Publicidade

Os protestos violentos foram a mais recente expressão de ira pública generalizada sobre o controverso plano do governo de permitir extradições para a China.

Os confrontos eclodiram horas depois de dezenas de milhares de pessoas terem capturado artérias importantes na hora do rush da manhã e cercado o parlamento da cidade, forçando os legisladores a adiarem um debate sobre a lei proposta.

A executiva-chefe de Hong Kong, Carrie Lam, que está defendendo a aprovação da lei, descreveu os protestos como "tumultos organizados" e pediu que a calma seja restaurada. "As ações violentas que prejudicam a sociedade pacífica, ignorando a lei e a disciplina, são inaceitáveis para qualquer sociedade civilizada", disse ela em uma declaração em vídeo.

A polícia usou gás lacrimogêneo, balas de borracha e cassetetes para combater multidões de manifestantes vestidos de preto - a maioria deles jovens e estudantes -, exigindo que as autoridades rejeitem a lei apoiada por Pequim.

As cenas ecoaram o pró-democracia "Umbrella Movement" de 2014, em que manifestantes clamavam por maiores direitos democráticos que fechassem a cidade por dois meses e lutaram contra a polícia, mas não obtiveram concessões de Pequim.

Desta vez, a polícia pareceu determinada a não deixar que os manifestantes mantivessem qualquer terreno, enquanto os jovens manifestantes respondiam arremessando projéteis, incluindo mastros de metal, garrafas e tijolos.

Gato e rato

O gás lacrimogêneo espalhou as multidões, mas a tropa de choque continuou a lutar batalhas de gato e rato com seus oponentes até o início da noite em Hong Kong, paralisando o centro do centro financeiro internacional.

Lam Cheuk Ting, deputado democrata, saiu do Parlamento para tentar mediar a situação, mas foi pulverizado com spray de pimenta. A polícia que vigiava o prédio do Parlamento o impediu de retornar, dizendo que o prédio estava completamente bloqueado.

Ele falou à RFI: "Eu estava tentando convencer a polícia e os manifestantes a ficarem calmos e pararem de atacar uns ao outros. Mas a polícia, sem qualquer aviso, borrifou-me spray de pimenta. Retirei-me para o edifício do parlamento, mas a polícia impediu-me de entrar, dizendo que todo o edifício está bloqueado.
Neste momento, a tensão entre os dois lados é muito forte. Os manifestantes estão com muita raiva. Eu acho que há mais pessoas vindo para o centro se manifestar, vão tentar ficar até tarde. Mas é difícil dizer se os manifestantes poderiam resistir à violência policial até o fim "

Autoridades disseram que 22 pessoas ficaram feridas. Policiais e manifestantes feridos foram vistos sendo carregados.

Distúrbios políticos

Hong Kong tem sido convulsionada por distúrbios políticos nos últimos anos, à medida que aumentam os temores de que Pequim esteja tentando se impor diante das liberdades e a cultura únicas da cidade. Mas a violência desta quarta-feira foi uma escalada sem precedentes do conflito.

"Em termos do nível de violência, hoje foi o mais grave desde a entrega de 1997", disse à AFP o analista político Dixon Sing, citando o uso contínuo de gás lacrimogêneo, balas de borracha e sacos de feijão, além da disposição dos manifestantes para enfrentar a polícia.

"Os eventos de hoje refletem uma enorme lacuna na confiança que o povo de Hong Kong tem em relação ao governo. Eles acreditam cada vez mais que o governo de Hong Kong é um bando de marionetes que atendem aos interesses de Pequim", acrescentou.

A lei proposta permitiria que Hong Kong enviasse suspeitos para outras jurisdições ao redor do mundo - incluindo a China.

Os líderes de Hong Kong dizem que é preciso tapar as brechas e impedir que a cidade seja um santuário para os fugitivos. Eles dizem que existem salvaguardas para garantir que os críticos políticos de Pequim não sejam alvos.

Mas a lei é profundamente impopular, há receios de que as pessoas se envolvam nos tribunais opacos do continente, deixando-as vulneráveis a um sistema de justiça visto como agindo a pedido do Partido Comunista Chinês.

A oposição ao projeto de lei uniu a sociedade local de forma excepcional, desde empresários e advogados influentes a grupos religiosos, sindicatos estudantis e trabalhadores.

No domingo, multidões marcharam contra a lei, um recorde na cidade. Esta manifestação, no entanto, não conseguiu mover a pró-Pequim Lam, que rejeitou os pedidos para retirar o projeto e prometeu acelerá-lo através do legislativo.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.