Acessar o conteúdo principal
Brasil-Mundo

Estilista Napoleão César celebra carreira na Itália com explosão de cores

Áudio 04:31
O alagoano Napoleão César
O alagoano Napoleão César G. Marques
10 min

As criações de alagoano Napoleão César são repletas de cores berrantes e fluorescentes que, segundo ele, mostram a sua identidade brasileira. Os tons fortes combinados com elegância fizeram com que ele fosse escolhido o melhor estilista para representar o Brasil na Latin American Fashion, nos 3 e 4 de julho, durante a Semana da Alta-Costura em Roma.  

Publicidade

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

 

Napoleão nasceu em Maceió em 1974 e vive há 15 anos em Milão. Ele encontrou a RFI Brasil em Roma no Singer Palace, um edifício no centro histórico da capital construído na década de 1930 para ser a sede italiana da fábrica americana de máquinas de costura, que hoje se transformou em um hotel.

“A minha paixão pela moda surgiu com a minha mãe, que era costureira. Eu ficava observando o trabalho dela e, devagarinho, fui aprendendo a costura”, contou, enquanto observava as antigas máquinas expostas no local.  

Em 2004, foi convidado pela Maison Marcus Telles, em Milão, para trabalhar por um breve período, na coleção Primavera-Verão daquele ano. No fim, acabou ficando mais tempo e optou por um caminho autônomo. “O começo foi difícil, contei com a ajuda de amigos para divulgar meus trabalhos. Até que apareceu uma cliente que quis provar meus vestidos. E assim, aos poucos, fui conquistando meu espaço”, relembra. “Hoje, tenho clientes que visto há mais de 10 anos e realizo todo o guarda-roupa deles, no verão ou no inverno” disse.

Encomendas pelo correio

Napoleão César fala orgulhoso das suas clientes fiéis que vivem em diversas partes da Itália - em Verona, no norte, ou na Sicília, sul do país. “Elas têm tanta confiança no meu trabalho que eu faço as roupas e envio pelo correio.”

Em Milão, ele estudou no Instituto de Moda Burgo para aperfeiçoar a manualidade e aprender sobre as diferenças entre a costura do Brasil e a italiana. “Consegui colocar uma brasilidade naquilo que eu aprendi na escola, sobre a italianidade. Misturei os dois.”

Explosão de cores

No desfile em Roma, no Palácio Ferrajoli, Napoleão apresentou a sua nova coleção de Alta Moda chamada “Fluora”, em referência às cores fluorescentes e aos tecidos brilhantes. Ele combina tons de azul royal com o pink, o verde limão e outras cores intensas.  

“O que eu trouxe do Brasil são as cores. Nas minhas coleções de verão, uso cores muito fortes”, afirma. “É a alegria, a saudade, aquela vontade de mostrar o nosso Brasil em pequenos detalhes”, ressalta.

Segundo ele, o mercado italiano acolhe bem a moda brasileira, quando é refinada. “Sabendo que eu sou brasileiro, eles não se espantam em ver as cores fortes”, nota.  

Observador da moda, o estilista brasileiro avalia que, atualmente, é mais difícil encontrar pessoas bem vestidas, porque “cada um faz o que quer” com as peças. “Todo mundo quer ser estilista e pensa que aquilo é moda”, sublinha. “Mas o conceito de moda é vestir com bom gosto, que se está perdendo completamente. Esse é o problema da moda hoje: a falta de vontade e elegância para se vestir bem”, lamenta.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.