Acessar o conteúdo principal

Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, vence o Nobel da Paz

Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, vencedor do prêmio Nobel da Paz de 2018.
Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, vencedor do prêmio Nobel da Paz de 2018. REUTERS/Tiksa Negeri/File Photo
Texto por: RFI
4 min

O prêmio Nobel da Paz de 2019 foi concedido nesta sexta-feira (11) para o primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed, pela reconciliação de seu país com a Eritreia. Aos 43 anos, o líder é o mais jovem dirigente africano.

Publicidade

No anúncio, o Comitê do Prêmio Nobel felicitou Ahmed "por sua iniciativa decisiva na resolução do conflito na fronteira com a Eritreia". Os dois países retomaram suas relações em julho de 2018, após anos de hostilidades que deixaram mais de 80 mil mortos.

A presidente do Comitê do Prêmio Nobel, Berit Reiss-Andersen, também destacou o trabalho do presidente da Eritreia, Issaias Afworki. "A paz não é alcançada apenas com as ações de uma única pessoa. Quando o primeiro-ministro Abiy estendeu a mão, o presidente Afwerki aceitou e ajudou a dar forma ao processo de paz entre os dois países", afirmou.

Décadas de hostilidades

A Etiópia e a Eritreia foram palco de uma sangrenta guerra, de 1998 a 2000. As hostilidades entre os dois países, no entanto, duraram décadas, desde a anexação do território eritreu pelo imperador etíope Hailé Sélassié, em 1962. Nem mesmo a assinatura de um acordo de paz, em 2000, conseguiu colocar um fim à violência armada, especialmente na fronteira entre as duas nações.

Ao assumir o poder, em abril de 2018, Ahmed rompeu com a tradição do autoritarismo dos governos antecessores. Classificado como visionário e reformador, o jovem dirigente inspirou otimismo em uma região castigada por conflitos. Entre suas principais façanhas, o premiê permitiu a libertação de milhares de prisioneiros políticos, criou uma comissão de reconciliação nacional e retirou proibições a certos partidos.

Seus esforços, no entanto, ainda esbarram em obstáculos, já que a Etiópia continua sendo palco de violências étnicas. "Convidamos todos os etíopes e amigos da Etiópia a continuar a escolha pelo campo da paz", afirmou em comunicado o escritório do primeiro-ministro.

Vitória do país

Após o anúncio, a Etiópia celebrou a vitória de Abiy Ahmed. "Estamos orgulhosos como país", declarou no Twitter o gabinete do chefe de governo, que considera o prêmio um "reconhecimento" do trabalho do primeiro-ministro em favor da "cooperação, unidade e coexistência".

"Desde que o primeiro-ministro Abiy Ahmed assumiu a liderança do país, em abril de 2018, ele fez da paz, do perdão e da reconciliação os elementos-chave de sua política e administração", reitera a publicação.

A escolha do líder etíope para o Nobel da Paz deste ano foi elogiada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres. "Sempre disse que ventos de esperança sopravam mais forte na África. O primeiro-ministro Abiy Ahmed é uma das causas principais", afirmou.

Candidatos ao Nobel de 2019

Mais de 300 personalidades e organizações eram candidatas este ano a receber o Nobel da Paz, entre eles, o cacique caiapó Raoni Metuktire e ativista ambiental sueca Greta Thunberg.

Em 2018, o Comitê atribuiu o prêmio ao ginecologista Denis Mukwege (República Democrática do Congo) e a yazidi Nadia Murad, por por seus "esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.