Acessar o conteúdo principal
Epidemia

Coronavírus: países asiáticos fecham portas para chineses e Pequim alerta contra “pânico inútil”

O embaixador da China na ONU Chen Xu tenta tranquilizar a comunidade internacional e alertou contra "pânico inútil" e medidas de precaução "excessivas".
O embaixador da China na ONU Chen Xu tenta tranquilizar a comunidade internacional e alertou contra "pânico inútil" e medidas de precaução "excessivas". REUTERS/Denis Balibouse
Texto por: RFI
2 min

O balanço de vítimas do coronavírus não para de crescer, levando vários países asiáticos a fecharem suas portas para viajantes vindos da China. As autoridades chinesas alertam contra o "pânico inútil" e as medidas de precaução "excessivas".

Publicidade

De acordo com dados oficiais divulgados na noite desta sexta-feira (31), 213 pessoas já morreram vítimas da pneumonia viral, 43 delas apenas nas últimas 24 horas. O número de contaminados já se aproxima de 10 mil. Diante do avanço da epidemia, diversos países asiáticos decidiram impedir a entrada em seu território de viajantes vindos da China.

O Vietnã suspendeu os vistos de turismo para chineses ou outros estrangeiros que passaram pela China nas duas últimas semanas. Cingapura e Mongólia também suspenderam a entrada de viajantes vindos do território chinês. Vários países, dentro e fora da Ásia, também enviaram aviões para repatriar seus cidadãos, enquanto a Rússia anunciou esta semana o fechamento de sua fronteira de 4.250 km com a China.  

Temendo um isolamento total, Pequim tenta tranquilizar a comunidade internacional. "Não é necessário entrar em pânico inutilmente, nem tomar medidas excessivas", declarou o embaixador chinês na ONU Xu Chen, em entrevista coletiva em Genebra. Segundo ele, a Organização Mundial da Saúde “tem plena confiança" em seu país.

As autoridades de Wuhan, epicentro do surto, são criticadas pela inércia no começo da epidemia. Elas são acusadas de terem demorado para divulgar informações detalhadas sobre o vírus. “Estou invadido por um sentimento de culpa e de remorso”, declarou Ma Guoqiang, principal responsável político da cidade durante uma entrevista ao canal público de televisão CCTV.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou na quinta-feira que a epidemia do novo coronavírus é uma “urgência de saúde pública internacional”. Casos de contaminação já foram confirmados em 20 países.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.