Acessar o conteúdo principal
Governo quer dar exemplo

China relança economia, mas população pede ajuda financeira para retomar normalidade

Curados do coronavírus, pacientes deixam hospital em Wuhan
Curados do coronavírus, pacientes deixam hospital em Wuhan STR / AFP
Texto por: RFI
5 min

Passado o pico de casos do coronavírus na China, as empresas da província de Hubei, epicentro da epidemia, retomam progressivamente suas atividades. Chineses afetados pela parada econômica pedem redução de alugueis e ajuda financeira para levar a vida após a parada.

Publicidade

Do correspondente na China da RFI, Stéphane Lagarde

Um porta-voz do governo chinês anunciou nesta quinta-feira (12) que o pico da epidemia do coronavírus (Covid-19) na China já passou. Mi Feng, representante da Comissão Nacional de Saúde, informou em Pequim que apenas oito novo casos de coronavíris haviam sido confirmados na véspera em Hubei.

Neste cenário, a retomada da economia passou a ser a principal preocupação. Em Hubei, são as empresas que cumprem necessidades básicas da população. As fábricas de remédios, serviços públicos (gás, eletricidade) e todo o setor de alimentos, desde a fabricação de fertilizantes até a distribuição em massa, são os primeiros a voltarem ao trabalho.

Governo deve investir bilhões para relançar a economia

Wuhan não é a única megalópole nessa retomada parcial. Desde segunda-feira (9), os trabalhadores retornaram às obras em 58% dos projetos de habitação e infraestrutura encomendados pelos municípios, segundo o vice-ministro de Habitação e Desenvolvimento Urbano. As empresas estatais estão apoiando uma recuperação que levará tempo, sabendo que o mecanismo da segunda maior economia do mundo é mais fácil de parar do que reiniciar.

"Com o coronavírus, a economia chinesa deve perder um crescimento de 2 a 3% no primeiro trimestre. As coisas devem voltar ao normal no segundo trimestre e até exceder 6% no terceiro. A China planeja investir entre R$ 13 e R$ 20 bilhões na recuperação da economia ", disse Hu Xingdou, economista do Instituto de Tecnologia de Pequim. "O crescimento econômico chinês representa 60% do crescimento econômico global, mas esse número agora é muito menor", disse ele.

Empresários pedem redução de aluguel

"A epidemia está causando um enorme impacto nos negócios", disse Liu Tongqin, proprietário de uma loja de material de construção de Yiwu, na província de Zhejiang. "Paramos nossos investimentos e estamos tentando nos adaptar às circunstâncias. Em termos de apoio do governo, o país enfrenta um desafio tão grande que não espero receber ajuda."

Obter ajuda é o que comerciantes e funcionários pedem ao manifestarem-se nos últimos dias no mercado de Shenzhen. A raiva também dos comerciantes em Zhongshan e várias outras cidades da China por trás do slogan: "Cancele o aluguel em fevereiro, ou não terá aluguel em março!" "

Aos 30 anos, Zhu Menghua é o diretor de uma empresa de design de interiores em Dongguan. Quatro lojas vendem seus móveis, uma das quais está localizada em um shopping center. "O shopping nos deu um mês de aluguel. Mas a crise já dura semanas e essa redução está longe de ser suficiente para nos ajudar a superar isso. Não vendemos móveis desde o início da epidemia. "

Como reiniciar a máquina quando um bilhão de chineses ficou confinado em casa ou em um hotel por um mês?

Diante de reclamações, alguns governos locais pagaram os custos de transporte dos trabalhadores às fábricas. O escritório de recursos e previdência social, bem como o escritório de finanças da prefeitura de Pequim, acabam de publicar um comunicado de imprensa intitulado: "Medidas destinadas a estabilizar as relações de emprego dos que não retornaram de Hubei". "

A partir deste mês, todos os que não puderem, por medidas sanitárias, voltar ao trabalho receberão uma remuneração do empregador de 3.080 yuanes (cerca de R$ 2.100) por mês.

Governo quer se mostrar forte diante da crise

A recuperação econômica é acompanhada por uma mensagem política. O regime comunista pretende aparecer como garantia da estabilidade no mundo, promovendo um sistema centralizado que, de acordo com líderes em Pequim, seria mais capaz de responder ao desastre.

"Como você pode confiar em governos incapazes de convencer seu povo a usar máscaras protetoras?" Se houver uma grande catástrofe ameaçando a humanidade, os chineses sobreviverão por mais tempo ", disse uma autoridade política ao jornal South China Morning Post. Uma mensagem também transmitida pela mídia oficial, que explica que, sob a liderança de Xi Jinping, o coronavírus está sob controle e os mercados estão se recuperando.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.