Singapura volta a fechar fronteiras para evitar segunda onda de Covid-19

Moradores de Cingapura mantém distância nas escaldas rolantes de um centro comercial.
Moradores de Cingapura mantém distância nas escaldas rolantes de um centro comercial. REUTERS/Edgar Su

Enquanto governos europeus estudam maneiras de sair do confinamento imposto à população para frear a propagação da Covid-19, vários países asiáticos (China, Japão e Taiwan) ou territórios (Hong Kong e Cingapura) enfrentaram, nas últimas semanas, um ressurgimento diário de contaminações pelo coronavírus. Numa resposta rápida aos novos casos, medidas de isolamento são retomadas.

Publicidade

O medo de um segundo surto da epidemia levou a cidade-Estado de Cingapura a prolongar as medidas de “distanciamento saudável” até o início de junho. As autoridades de saúde do centro financeiro do sudeste asiático anunciaram na segunda-feira (20) 1.426 novos casos de pessoas infectadas com a Covid-19, elevando o total para 8.014 casos e 11 mortes. O número de novas contaminações é recorde, considerando que ele não passava de quinze, em meados de março.

Para "evitar a todo custo o cenário de um novo Wuhan", o regime proibiu nesta quarta-feira (22) a entrada de pessoas e de veículos de fora da metrópole. Além disso, aqueles que entram em áreas residenciais devem passar por um controle de temperatura e usar uma máscara. Desde o início de abril, escolas e negócios não essenciais também estão fechados.

Cingapura já havia fechado suas fronteiras para não-residentes, incluindo interdições em seu movimentado tráfego aéreo. Contudo, apesar das medidas, o território viu seu número de contaminações multiplicado por dez, passando de 142 casos, em 8 de abril, para 1.426 no início desta semana.

Cingapura já foi modelo na luta contra a Covid

Antes considerada um modelo na luta contra a Covid-19, Cingapura se junta a outros países da Ásia que estão preocupados com o ressurgimento do número de contaminações em seu solo. O país, inicialmente, conseguiu conter a disseminação do vírus, graças a uma estratégia muito rígida de controle e rastreamento dos contatos com as pessoas infectadas. Porém, a situação começou a mudar no início de abril.

Segundo as autoridades, três quartos dos novos casos foram detectados nas residências de trabalhadores migrantes, locais muitas vezes superlotados e propícios à propagação do vírus. Cingapura tem cerca de 200.000 profissionais da construção civil, a maioria do sul da Ásia, que constroem torres gigantes e centros comerciais por salários de US$ 400 a US$ 500 por mês.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.